Resenha: Daisy Jones & The Six

24 junho 2019
Sinopse: Todo mundo conhece Daisy Jones & The Six. Nos anos setenta, dominavam as paradas de sucesso, faziam shows para plateias lotadas e conquistavam milhões de fãs. Eram a voz de uma geração, e Daisy, a inspiração de toda garota descolada. Mas no dia 12 de julho de 1979, no último show da turnê Aurora, eles se separaram. E ninguém nunca soube por quê. Até agora. Esta é história de uma menina de Los Angeles que sonhava em ser uma estrela do rock e de uma banda que também almejava seu lugar ao sol. E de tudo o que aconteceu ― o sexo, as drogas, os conflitos e os dramas ― quando um produtor apostou (certo!) que juntos poderiam se tornar lendas da música. Neste romance inesquecível narrado a partir de entrevistas, Taylor Jenkins Reid reconstitui a trajetória de uma banda fictícia com a intensidade presente nos melhores backstages do rock’n’roll.
Hello pessoas, hoje a resenha é empolgadíssima e com muita alegria e emoção. Primeiro preciso esclarecer que, mesmo recebendo a newsletter da Paralela, eu só comprei por causa do Pin que vinha de brinde, com isso esclarecido, prossigamos.

"Quando ela cantava, a voz vinha lá das entranhas. As pessoas demoram anos para aprender isso, e para Daisy era uma coisa natural."
Daisy Jones & The Six conta a história dessa banda de muito sucesso na década de 70, que se originou da banda originalmente, Dunne Brothers e que mais tarde se tornou The Six. Daisy se encontrou com eles no caminho, e eles se tornaram um fenômeno fonográfico. Anotaram tudo?? Agora preparem-se para mergulhar na vida e na banda, num documentário extremamente empolgante, feito pela filha de um dos integrantes da banda.

O Roqueiro Que Me Amava - The Rocker Series

21 junho 2019
Hello pessoas, sextou aqui no Notas em ritmo de Rock and Roll... segunda também teremos Rock  mas isso é para depois.

Hoje estou vindo aqui para comemorar que a Bezz liberou o quarto livro da Série The Rocker da Terri Anne Browning... A Demons Wings está completa... Sim, nós sabemos que tem outros dois livros que podemos chamar de Bônus,  antes da história continuar com a OtherWorld.
"Eu não havia chorado pela minha mãe nem por ninguém. O choque se instalou e eu fiquei descontrolado. Por mais louco que seja, isso levou Emmie a chorar também."

Resenha: Lágrimas de Outono

20 junho 2019
Isabel vivia uma infância feliz e cercada de carinho da família. Muito apegada à sua mãe Elisa, que a ensinou a amar as flores e a cultivar o mesmo apreço que tinha pelo jardim da casa onde ambas nasceram. A menina cresceu apaixonada pelas flores, árvores e o encanto presente naquele lugar, que era a representação do amor que uniam mãe e filha. No entanto Bel precisou aprender a lidar com perdas desde muito nova, vivendo momentos difíceis para uma criança. Depois de perder a mãe e também alguns anos da infância a menininha cresce e torna-se uma jovem insegura e temerosa em ter mais perdas e sofrimento em sua vida. Ela conhece Joaquim e juntos traçam uma história de amor e superação, com mais algumas perdas, dificuldades, lições e recomeços. Isabel precisará passar por um caminho de provações que a levará a aprender a confiar nos planos de Deus, trilhando um caminho de aprendizado, compreendendo as etapas da vida, para assim, entender que os laços de amor são muito fortes e nos acompanham eternamente.

Sou parceira literária da autora Amanda Bonatti, e como tal, e também por adorar seus romances, quis ler tudo que ela publica. Contudo, quase não consegui completar o objetivo quando soube que Lágrimas de Outono é um romance espírita. Afinal, tenho muito medo de tudo que se refere ao sobrenatural, à vida após a morte, então cheguei a excluir o livro do meu leitor digital, porque não leria. 

Acontece que Amanda, com seu jeitinho meigo e por leve pressão ao dizer que adoraria ler uma resenha minha sobre o livro em questão, me convenceu. E eu não me arrependo. As partes espíritas são mínimas, e tudo acontece com muita sutileza, como prova de amor, então digo, como medrosa de carteirinha, que você pode ler tranquilamente, pois eu li e não abandonei a leitura, nem fiquei com medo excessivo (só um pouquinho) kkkkk.

Resenha: A Casa dos novos começos

13 junho 2019
A CASA DOS NOVOS COMEÇOS FAZ PARTE DE UMA NOVA COLEÇÃO DE ROMANCES DA EDITORA ARQUEIRO, “ROMANCES DE HOJE”. Um romance que mescla humor, temas sérios - como perda e luto - e as responsabilidades de mulheres contemporâneas. Em uma casa elegante próxima à orla, três moradoras têm mais em comum do que imaginam...Uma terrível descoberta leva Rosa a largar uma carreira de sucesso em Londres e, num impulso, recomeçar a vida como sous-chef em Brighton. O trabalho é árduo e estressante, mas a distrai. Bem, pelo menos até ela conhecer a adolescente emburrada que mora no apartamento ao lado, que a faz questionar suas escolhas. Georgie se muda para o Sul com o namorado, Simon, atrás de uma incrível oportunidade... para a carreira dele. Mas ela está determinada a ser bem-sucedida como jornalista e faz de tudo para trabalhar para uma revista local. A princípio, a cidade parece recebê-la de braços abertos, mas não vai demorar muito até ela se meter em várias enrascadas. Após uma grande tragédia, Charlotte passa as noites isolada em seu apartamento. Porém, Margot, uma senhorinha estilosa que mora no último andar, tem outros planos para ela. Querendo ou não, Charlotte vai precisar encarar o mundo real... e todas as suas possibilidades. Quando as três se conhecem, a esperança renasce, a amizade floresce e um novo capítulo se inicia na vida dessas mulheres.

Vou me abster do comentário sobre a sinopse, porque pelo tamanho você já deve imaginar a minha opinião sobre o assunto, né? Risos. Ainda bem que escolho os livros pelos autores, pelas capas, ou leio a sinopse muito por cima, para não gravar o conteúdo e perder a graça da história.

A Casa dos Novos Começos faz parte de uma coleção da Arqueiro lançada em maio, a série Romances de Hoje, juntamente com A Pequena Livraria dos Sonhos e Desencontros à Beira-mar. Já resenhei os outros livros e agora é hora de fazer o mesmo com este romance, finalizando minhas considerações sobre a série. Vamos lá?

Resenha: Piloto Playboy

10 junho 2019
Sinopse: Dinheiro ou amor? Qual você escolheria?

Você provavelmente acabou de responder a pergunta na sua mente pensando que é uma decisão fácil.

Para mim, não é. Eu já disse que é bastante dinheiro? Muito mesmo.
Eu precisava ir para longe para pensar nisso.
Quando embarquei em uma viagem impulsiva, mudei o rumo ao conhecer o sexy Carter no lounge do aeroporto. Nos envolvemos em uma conversa acalorada.
Depois, ele foi embora.
Pensei que nunca mais fosse vê-lo.
Mas o destino tinha outros planos.
Surpresa! Ele era o piloto do meu voo.
A surpresa maior foi a aventura que aconteceu depois que o avião pousou.
Carter era perigoso e estava sempre viajando.
Embora nossa conexão fosse magnética, eu sabia que era apenas temporária.
Ele me dava passagens, e eu o seguia pelo mundo para lugares exóticos.
Um bando de aeromoças ex dele e boatos sobre a reputação de Carter sempre estavam nos rodeando.
Eu não sabia no que acreditar.
Mas estava viciada. Nada mais importava. E eu ia me magoar. Porque parte de mim queria ser a garota que finalmente faria o piloto playboy se aquietar.
Pelo menos, ele estava me levando para um passeio emocionante.
Todas as coisas boas acabam, certo?
Só que não previ como seria o nosso final.
Hello pessoas, tudo certinho?!?! Hoje vamos bater um papinho sobre Piloto Playboy, o mais recente lançamento da editora Charme, escrito pela dupla nota dez Penelope Ward e Vi Keeland.

Nele conhecemos o triple C, nosso Capitão Carter Clynes, um piloto com todos os melhores atributos, o terror dos aeroportos que logo se encanta por Kendall, uma herdeira, quase rica, do Texas que se encontra em um grande dilema.

Resenha: Jardim de Inverno

06 junho 2019
Meredith e Nina Whiston são tão diferentes quanto duas irmãs podem ser. Uma ficou em casa para cuidar dos filhos e da família. A outra seguiu seus sonhos e viajou o mundo para tornar-se uma fotojornalista famosa. No entanto, com a doença de seu amado pai, as irmãs encontram-se novamente, agora ao lado de sua fria mãe, Anya, que, mesmo nesta situação, não consegue oferecer qualquer conforto às filhas. A verdade é que Anya tem um motivo muito forte para ser assim distante: uma comovente história de amor que se estende por mais de 65 anos entre a gelada Leningrado da Segunda Guerra e o não menos frio Alasca. Para cumprir uma promessa ao pai em seu leito de morte, as irmãs Whiston deverão se esforçar e fazer com que a mãe lhes conte esta extraordinária história. Meredith e Nina vão, finalmente, conhecer o passado secreto de sua mãe e descobrir uma verdade tão terrível que abalará o alicerce de sua família… E mudará tudo o que elas pensam que são. “Difícil não rir um tanto e chorar ainda mais com a história de mãe e filhas que se descobrem no último momento.” – Publishers Weekly. A história que sua mãe conta é como nenhuma outra já ouvida por elas antes — uma história de amor cativante e misteriosa que dura mais de sessenta anos e parte da Leningrado congelada e devastada pela guerra até o Alasca, nos dias atuais. A obsessão de Nina por esconder a verdade as levará a uma inesperada jornada ao passado de sua mãe, onde descobrirão um segredo tão chocante, que abala a estrutura da família e muda quem elas acreditam ser.
  
Olhem o tamanho desta sinopse! Ainda bem que não a li, porque teria perdido toda a graça da história! Contou demais, porque eu gosto de descobrir as situações aos poucos, não já de cara.

Kristin Hannah se tornou uma das minhas autoras favoritas após a leitura de As Cores da Vida, primeiro romance dela que li. Todas as suas histórias são apaixonantes, mas repletas de dramas. Sempre digo que ela toma chá da tarde com o Nicholas Sparks, outro autor entre os meus preferidos. 

Então, devagarzinho, pretendo ler todos os romances dela, assim como faço com os livros dele. Só preciso preparar meu psicológico! Risos. Mas vamos à história!

Resenha: O homem Inocente

04 junho 2019
Sinopse: Em 1971, aos 18 anos, Ron Williamson tinha uma carreira promissora como atleta. Acabara de assinar contrato com um time grande de beisebol e de se despedir de Ada, sua cidade natal, para ir em busca do sucesso. Seis anos depois, estava de volta com os sonhos destruídos por um braço lesionado e o vício em bebidas e drogas. Foi morar com a mãe e passava vinte horas por dia dormindo no sofá.
Em 1982, uma garçonete de 21 anos chamada Debra Sue Carter foi estuprada e assassinada brutalmente em Ada. Por cinco anos o crime ficou sem solução, até que uma frágil evidência apontou a investigação na direção de Ron.
A partir daí o herói fracassado foi perseguido, acusado, julgado e condenado à morte. O processo, coalhado de testemunhas mentirosas e provas corrompidas, não só acabou de arruinar a vida já despedaçada de um homem, como permitiu que o verdadeiro assassino ficasse impune.
Com uma pesquisa impecável e uma narrativa arrebatadora, O homem inocente é um livro que ninguém pode se dar ao luxo de não ler.
Hello pessoas, hoje falaremos sobre O Homem Inocente, livro de John Grisham, lançado pela editora Arqueiro. Esse livro já teve uma edição anos atrás por outra editora, assim como vários outros livros, agora a Editora Arqueiro é a nova casa do autor e estou muito feliz com isso.

Grisahm, caso você não esteja ligando o nome a pessoa, é autor de obras consagradas eternizadas no cinema tal qual: O Dossiê Pelicano, Tempo de Matar, A Firma, que será lançado pela Arqueiro em julho, entre outros. Essa é a única obra de não ficção do autor, e um assunto muito sério. 

"Vemos as coisas como nós somos e não como elas são".  
Anaïs Nin