Resenha: O Roubo

03 dezembro 2020

Joana Lancaster faz parte de uma extensa e famosa linhagem de piratas. Desde que a mãe faleceu e a jovem decidiu viver com o pai nas mediações de um navio, o mar passou a ser seu único refúgio. Contudo, o futuro livre que havia imaginado transformou-se em um pesadelo quando Napoleão III assinou um acordo que extinguiu sua profissão. Proibida de viver como pirata, Joana transformou-se em uma ladra contratada pela nobreza. Trabalhando para sobreviver e não mais por prazer, ela nunca mais foi a mesma. Cansado de ser ofuscado pela má reputação de sua família, Filipe Bourbon decidiu casar-se com uma jovem pura e honrada. A celebração impessoal do noivado revelou marcas do passado que ele gostaria de esquecer e, em um ato impensado de rebeldia, Filipe expôs em público uma das relíquias mais cobiçadas de toda a Europa: a famosa e amaldiçoada Máscara Branca. E, a partir de então, virou alvo de habilidosos e engenhosos caça-tesouros. Joana passará semanas planejando como roubar a máscara de Sir Filipe Bourbon e, em uma única noite, descobrirá que é impossível roubar o que lhe é oferecido de bom grado. Entrega, paixão e mistério rodeiam o enlace de um lorde quebrado e de uma pirata obstinada em O Roubo.

Sou fã de Paola Alexsandra, com muito orgulho. Além de linda, ela é bastante simpática e talentosa, então eu leio tudo o que ela publicar. Até mesmo um livro curtinho, mas muito bom, como esse. São apenas 88 páginas e eu queria mais, muito mais, principalmente sobre o que aconteceu antes dos eventos finais, mas depois de uma noite de Carnaval. 

Resenha: A Sedução da Duquesa

26 novembro 2020

Aiden Trewlove está acostumado a apresentar o pecado e o vício às damas mais ousadas da sociedade londrina em seu clube exclusivo para mulheres, mas sempre se mantém a uma distância segura, sem quebrar sua regra de se envolver com a clientela — ou pior, com a nobreza. No entanto, quando uma beldade mascarada aparece em seu clube certa noite, ele não consegue resistir à tentação de se aproximar. E fica ainda mais atraído quando ela lhe faz uma oferta pecaminosa, capaz de fazê-lo esquecer todas as suas regras. Selena Sheffield, duquesa de Lushing, acaba de ser tornar viúva. Em seus seis anos de casada, nunca conheceu paixão ou soube o que era amar. E, apesar das aparências, não está no Clube Elysium para isso. Ela tem um objetivo claro, e o futuro de sua família depende de seu sucesso. Mas, à medida que começa a percorrer uma jornada de descobertas e prazeres inomináveis com Aiden, fica cada vez mais difícil para Selena se lembrar de seus deveres.

A Sedução da Duquesa é o quarto livro da série dos Irmãos Trewlove (oficialmente se chama Sins of all Seasons), e eu começo a minha resenha agradecendo à Editora Harlequin por ter continuado a publicar os volumes. São seis ao todo, um para cada irmão, e como os primeiros foram publicados três de uma vez, achei que ia parar por aí.

Que bom que não acabou! É uma série de romance de época muito envolvente, com histórias que possuem protagonistas fora do convencional, e eu vou adorar ler um por um, até conhecer o final feliz de todos os Trewlove! 

Resenha: Quando o Inverno Acabar

19 novembro 2020

Amar sempre foi simples, algo natural. Como respirar! Foi assim que aprendi. E por amor ao meu trabalho, precisei me afastar de tudo. Principalmente de todos. Foram apenas dois anos; o suficiente para mudanças que eu não estava preparada. Retornei para casa com apenas um desejo: recomeçar de onde parei. Mas, o destino tem maneiras de tornar realidade algo que você nunca sequer sonhou. Aos poucos, percebi que o tempo não nos muda apenas fisicamente. Ele pode transformar nossa alma.

Quem nunca adquiriu um livro pela capa, que atire a primeira pedra! Eu não atiro, porque sou daquelas que julgam um livro pela capa, sim! Às vezes eu posso me enganar, é claro, mas eu não aprendo e sempre me atraio por um livro se a capa for bonita. 

Claro que isso aconteceu com Quando o Inverno Acabar. Afinal, para quem ama o frio, essa capa enche os olhos. Eu simplesmente PRECISAVA dele, e sempre chegava a essa conclusão cada vez que a The Gift Box divulgava o livro no Instagram. 

Foi assim que Quando o Inverno Acabar chegou em minhas mãos. Não conhecia a autora, mas a capa me conquistou (acho que foi a mais bonita que eles lançaram até hoje) e a sinopse também me atraiu. 

Melhor que Chocolate

12 novembro 2020

Amor. Chocolate. Paris. Que atire a primeira pedra quem não gostaria de ter essas três coisas misturadas em meio a uma aventura inesquecível. Pois é mais fácil do que parece, basta abrir este delicioso (sem exageros) romance de Laura Florand. Cade Corey é uma jovem executiva que cuida do negócio bilionário de chocolate da família, uma empresa popular nos Estados Unidos. Ela sonha em construir uma linha premium de seus produtos, e, como boa conhecedora do seu negócio, sabe que encontrará o chocolate perfeito em Paris. Na verdade, o chocolate perfeito está, mais especificamente, nas mãos igualmente perfeitas de Sylvain Marquis, o melhor chocolatier da cidade. O problema é que Sylvain se recusa a associar sua arte a uma grande empresa que só pensa em destruir sua técnica para reproduzi-la em grande escala. Isso para ele é um insulto, e não uma proposta! Contudo, embora o francês jure que está em paz para tocar a vida, aquela americana teimosa não lhe sai da cabeça. E Cade sente o mesmo: adoraria simplesmente fechar negócio com outro especialista parisiense, entretanto, não consegue esquecer os olhos cortantes de Sylvain e sua personalidade arrogante, porém tão viciante quanto seus doces. Paris está prestes a ficar pequena para o que existe entre eles. Pegue uma boa xícara de café e saboreie tudo aquilo que é melhor que chocolate. Você não vai se arrepender!

Paris, chocolate, romance chick-lit. Para mim, é uma combinação perfeita! A capa não é das melhores, achei meio caricata, mas a sinopse me encantou porque prometeu ser um livro delicioso, com um enredo daqueles que eu adoro, para passar muito bem o tempo.

Resenha: Procura-se um Novo Amor

05 novembro 2020

Quando Nichole descobre que seu marido, Jake, a traiu, sua vida perfeita é abalada. Enquanto se desdobra entre o filho, o novo emprego e o trabalho voluntário, Nichole conhece Rocco, que é o oposto de Jake em quase todos os aspectos. Apesar de ser grosseiro, Rocco se mostrou um pai dedicado e amigo atencioso. Mas, assim que sua relação começa a amadurecer, Jake coloca tudo em risco — inclusive a felicidade de seu filho Owen — ao tentar reconquistá-la. Nichole precisa, então, reunir a coragem necessária para seguir seu coração, apesar das consequências. Durante décadas, Leanne ignorou as traições de seu marido, mas é incentivada pela atitude de Nichole diante da mesma situação. Enquanto dá aulas voluntárias de inglês, Leanne conheceu Nikolai, um charmoso padeiro ucraniano, ao qual Leanne tenta resistir para evitar as dores de cabeça de um romance. Até que uma tragédia inesperada a faz questionar suas escolhas. Um romance inspirador sobre amizade, esperança e recomeços, Procura-se Um Novo Amor é um atestado da força que toda mulher tem para trilhar o próprio caminho, acreditar no amor e ser feliz.

Eu acho que posso chamar 2020 de O ano dos livros calminhos. Afinal, com tanta coisa acontecendo, tantas doenças, injustiças e desgraças, nada melhor do que um bom romance calminho pra aquecer o coração, não é mesmo? 

Sendo assim, muitos livros que li neste ano foram romances calmos, sem altos e baixos, que descrevem a jornada do protagonista em seu dia a dia, a sua rotina e seus acontecimentos. Não é todo mundo que gosta de livro assim, pois pode se tornar monótono, mas eu amo, eles me ajudam a me acalmar e relaxar. Procura-se um Novo Amor foi uma dessas escolhas. Esse eu li em dois dias! 

Resenha: Por Toda a Eternidade

29 outubro 2020

Tully Hart é uma mulher ambiciosa, movida por grandes sonhos que, na verdade, escondem as lembranças de um passado de abandono e dor. Ela acredita que pode superar qualquer coisa ao esconder bem fundo os sentimentos de rejeição que carrega desde a infância... Até que sua melhor amiga, Kate Ryan, morre. Então, tudo começa a mudar para Tully, que se vê escorregando em um precipício cheio de memórias melancólicas e remédios para dormir...Dorothy Hart — ou Cloud, como era conhecida nos anos 1970 — está no centro do trágico passado de Tully. Ela abandonou a filha repetidas vezes na infância. Até que as duas se separaram de uma vez por todas. Aos dezesseis anos, Marah Ryan ficou devastada pela morte da mãe, Kate. Embora seu pai e seus irmãos se esforcem para manter a família unida, Marah transformou-se numa adolescente rebelde e inacessível em sua dor. Tully tenta aproximar-se de Marah, mas sua incapacidade para lidar com os sentimentos da afilhada acaba empurrando a menina para um relacionamento infeliz com um rapaz problemático. A vida dessas mulheres está intimamente ligada, e a maneira como elas vão rever seus erros e acertos constrói um romance comovente sobre o amor, a maternidade, as perdas e o novo começo. Onde há amor, há perdão...

Primeiramente, informo a você que Por Toda a Eternidade é continuação de Amigas Para Sempre, que resenhei na semana passada. Sendo assim, há spoiler por todo o lado, incluindo a morte de alguém muito especial. Se você se incomoda com isso, agradeço a sua visita, mas é melhor encerrar a leitura por aqui.

Agora, se você quer mergulhar em uma história de dor, medo, abuso de drogas, rebeldia, um pouco de suspense, mas com muitas doses de esperança conforme o desfecho se aproxima, Por Toda a Eternidade é para você. Continue a ler para conhecer um romance que vai fazer você se emocionar!

Resenha: Amigas Para Sempre

22 outubro 2020

Tully Hart tinha 14 anos, era linda, alegre, popular e invejada por todos. O que ninguém poderia imaginar era o sofrimento que ela vivia dentro de casa: nunca conhecera o pai, e a mãe, viciada em drogas costumava desaparecer por longos períodos, deixando a menina aos cuidados da avó. Mas a vida de Tully se transformou quando ela se mudou para a alameda dos Vaga-lumes e conheceu a garota mais legal do mundo. Kate Mularkey era inteligente, compreensiva e tão amorosa que logo fez Tully sentir-se parte de sua família. Ao longo de mais de trinta anos de amizade, uma se tornou o porto seguro da outra. Tully ajudou Kate a descobrir a própria beleza e a encorajou a enfrentar seus medos. Kate, por sua vez, a ensinou a enxergar além das aparências e a fez entender que certos riscos não valem a pena. As duas juraram que seriam amigas para sempre. Essa promessa resistiu ao frenesi dos anos 1970, às reviravoltas políticas das décadas de 1980 e 1990 e às promessas do novo milênio. Até que algo acontece para abalar a confiança entre elas. Será possível perdoar uma traição de sua melhor amiga? Neste livro, Kristin Hannah nos conta uma linda história sobre duas pessoas que sabem tudo a respeito uma da outra – e que por isso mesmo podem tanto ferir quanto salvar.

Kristin Hannah se tornou uma das minhas autoras favoritas por conta de suas histórias que ganham nosso coração logo nas primeiras páginas. São envolventes, com personagens que se tornam nossos amigos, pessoas de quem a gente quer saber mais e mais.

Porém, essa escritora é muito malvada, eu a considero a versão feminina de Nicholas Sparks ou até alguém pior, porque ela ganha o nosso coração e o destrói em pedacinhos. Por conta disso, ainda não havia lido nada da Kristin neste ano, já que preferi leituras mais leves. Mas achei que estava preparada e resolvi ler Amigas Para Sempre.

E foi bem como eu descrevi acima, esse envolvimento com o enredo e os personagens, mas também sobre destruir o coração e deixá-lo apertado de verdade. E isso em um sábado à noite!