Resenha: Um Amor de Detetive

17 outubro 2019
Neste divertido romance de estréia de Sarah Mason, Um amor de detetive, os opostos se encontram e - como não poderia deixar de ser - também se atraem. A bela Holly Colshannon é uma ambiciosa e desastrada jornalista da Bristol Gazette. James Sabine (apenas um pouco mais bonito que ela), é um sargento-detetive durão, grosseiro e ressentido. Levados pelo acaso, eles se encontram diversas vezes por conta de uma série de coincidências bastante oportunas. Rapidamente, a determinada Holly vê em James a grande chance de progredir em sua carreira e decide segui-lo por um período de seis semanas a fim de escrever uma coluna criminal, que poderá vir a ser o seu primeiro sucesso jornalístico. O lado positivo da situação é que ela consegue obter a tão sonhada coluna. O lado negativo é que o bonitão não está nem um pouco feliz com a presença constante de Holly em sua vida.

O romance de Sarah é daqueles que você lê a sinopse e sabe que os protagonistas ficarão juntos. Não que ela foi mal escrita, mas é que é bem previsível, não é mesmo? Pois eu digo que sim, realmente é um clichê e a gente sabe que os dois ficarão juntos, mas as circunstâncias não são nada favoráveis. 

Em primeiro lugar, porque eles se odeiam, mal conseguem compartilhar o mesmo ambiente. Segundo, porque ela tem namorado e James está noivo, e sua futura esposa é dona de uma beleza estonteante. Quando Holly consegue a oportunidade de acompanhá-lo por seis semanas, é exatamente o tempo que ele tem antes do casamento. Ou seja, é um homem prestes a se casar, e o casamento acontecerá ao final da parceria forçada entre Holly e o sargento-detetive.

Resenha: Entre Quatro Paredes

10 outubro 2019

Grace é a esposa perfeita. Ela abriu mão do emprego para se dedicar ao marido e à casa. Agora prepara jantares maravilhosos, cuida do jardim, costura e pinta quadros fantásticos. Grace mal tem tempo de sentir falta de sua antiga vida. Ela é casada com Jack, o marido perfeito. Ele é um advogado especializado em casos de mulheres vítimas de violência e nunca perdeu uma ação no tribunal. Rico, charmoso e bonito, todos se perguntavam por que havia demorado tanto a se casar. Os dois formam um casal perfeito. Eles estão sempre juntos. Grace não comparece a um almoço sem que Jack a acompanhe. Também não tem celular, que ela diz ser uma perda de tempo. E seu e-mail é compartilhado com Jack, afinal, os dois não guardam segredos um do outro. Parece ser o casamento perfeito. Mas por que Grace não abre a porta quando a campainha toca e não atende o telefone de casa? E por que há grades na janela do seu quarto? Às vezes o casamento perfeito é a mentira perfeita.

A sinopse quase contou o segredo, mas tudo bem. Este livro foi um dos melhores que li em 2019, um suspense leve, que deixa a gente muito curioso para saber como tudo vai terminar. E não é em romance, disso você pode ter certeza. Afinal, o casamento perfeito é a mentira perfeita, como disse a sinopse, então a cada página lida você fica sem fôlego.

Resenha: Rafael

07 outubro 2019

Sinopse: Eles são os caídos. Uma irmandade de assassinos cuja natureza os compele a matar. Mas guiados por seu líder, Gabriel, os Caídos aprenderam a usar seus anseios para livrar o mundo daqueles que estão em melhor situação sem eles. Para Raphael, o sexo e a morte estão interligados. Onde há um, deve haver o outro. Ele é um assassino de luxúria, atraindo suas vítimas com o rosto de um anjo e um corpo construído para o pecado. E Rafael vive para pecar. Sua mais nova missão o leva para o submundo secreto e sádico dos clubes de sexo de Boston, e o coloca cara a cara com sua maior fantasia feita de carne. Maria é tudo que ele sempre sonhou, a matança que ele sempre desejou. Ela não é o seu alvo. E ele sabe que deve resistir. Mas a tentação é muito forte... No entanto, Raphael não é o único com uma missão. Maria não é bem o que parece. E como desvendar Raphael e seus segredos, Maria começa a questionar tudo o que ela pensava que sabia - sobre o mal, sobre o lugar que ela chama de lar, e sobre o belo pecador que foi enviada para destruir. Dark Romance Contemporâneo. Contém situações sexuais, violência, assuntos sensíveis e tabus, linguagem ofensiva e tópicos que alguns podem considerar gatilhos. Recomendado para maiores de 18 anos. 

Hello pessoas, tudo certinho??? Hoje vamos bater um papinho sobre Raphael, o primeiro livro da série Deadly Virtues da Diva mor malvadona Tillie Cole. A resenha do Prequel, The Fallen Genesis, vocês encontram AQUI.
“They like to Kill. Needed to as much as they needed to breathe. It wasn’t to them.”
Mais uma vez, Tillie vai para o universo sombrio por trás de seitas religiosas. Apesar de os personagens dessa vez serem padres, eles fazem parte de uma prelazia conhecida como os Brethren, e manas eles são o catiço.

Resenha: Onde Mora o amor

03 outubro 2019

Dexter Yates adora sua vida despreocupada em Londres. Além de lindo e rico, mora em um apartamento chique e está sempre acompanhado de belas mulheres. Mas tudo se transforma da noite para o dia quando a irmã morre, deixando a pequena Delphi, de apenas oito meses. Sem a menor ideia de como cuidar sozinho de um bebê, ele resolve se afastar da correria da cidade grande e se muda para sua casa em Briarwood. Dex não está acostumado ao ambiente intimista do vilarejo, em que todo mundo se conhece e todas as histórias se entrelaçam. Os moradores o recebem de braços abertos, sobretudo sua vizinha de porta, a talentosa quadrinista Molly, que se oferece para ajudar com Delphi. Ela tem um passado amoroso catastrófico e muita cautela, mas nasce entre os dois uma inegável conexão. Se Dex vai conseguir se adaptar a essa nova vida e encontrar o amor de verdade, ele primeiro terá muito a aprender: sobre Molly, sobre Delphi, sobre os segredos dos outros e, principalmente, sobre si mesmo.

A coleção Romances de Hoje é uma delícia! Se você ainda não a leu, não perca mais tempo! Foram lançados três romances há alguns meses, de três autoras diferentes, e agora cada uma teve mais um livro publicado. Não é continuação, são apenas três livros das mesmas autoras, porém o gênero é comum: chick-lit, que eu amo! O livro de Jill Mansell da vez passada foi Desencontros à Beira-mar, que eu gostei bastante, porém Onde Mora o Amor é muito melhor. Dá pena de terminar de ler!

Resenha: Tempo de Regresso

26 setembro 2019
Meghann Dontess é uma mulher atormentada pela tristeza e pela solidão, e não consegue lidar com a difícil decisão que tomou na adolescência e que a fez perder tudo, inclusive o amor da irmã. Advogada de sucesso, trabalhando com divórcios, ela não acredita em relacionamentos – até que conhece o único homem capaz de fazê-la mudar de ideia. Claire Cavenaugh está apaixonada pela primeira vez na vida. Conforme seu casamento se aproxima, ela se prepara para encarar a irmã mais velha, sempre tão dura e arrogante. Reunidas após duas décadas, essas duas mulheres que pensam não ter nada em comum vão tentar se tornar algo que nunca foram: uma família. Sensível e divertido,Tempo de Regresso fala sobre os erros que cometemos por amor e as dores e as delícias que apenas irmãs podem compartilhar.

Quem me conhece, sabe que Kristin Hannah é uma das minhas autoras favoritas. É daquelas que eu leio tudo, sabe? Mesmo sabendo que vai abalar o meu psicológico e partir o meu coração (risos). A autora tem um jeito todo especial de nos envolver na história, e a gente não consegue parar de ler.

Então, quando saiu o lançamento de Kristin, Tempo de Regresso, não perdi tempo, passei na frente das milhares de outras leituras e me encantei. NOVAMENTE. 

A autora, como introdução, disse que este livro é parecido com Amigas para Sempre, outro romance dela, porque se trata de uma história entre irmãs. Como eu ainda não li, não pude comparar, mas achei semelhanças com Jardim de Inverno, que também envolve um relacionamento complicado de irmãs, e principalmente uma mãe que deixa muito a desejar. Vou desenvolver a sinopse para você, então.

Resenha: A Protegida

19 setembro 2019
Uma escolha pode conduzi-la à felicidade... Ou partir irremediavelmente seu coração. Liberty Jones é uma garota determinada, mas em sua vida pobre e difícil não há espaço para que ela consiga vislumbrar seus sonhos sendo realizados. Seu único consolo é a amizade e o amor que nutre por Hardy Cates, um jovem que possui ambições grandiosas demais para ficarem enterradas na pequena cidade de Welcome. Apesar da atração irresistível que pulsa entre os dois, tudo o que Hardy não precisa é de alguém para atrapalhar seus planos de sucesso, e ele a abandona no momento mais difícil de sua vida: quando a mãe de Liberty morre tragicamente em um acidente; deixando um bebê para ela criar. Mas a vida traz grandes surpresas e Liberty se vê sob a tutela de um magnata bilionário, que irá oferecer muito mais do que proteção à irmã e a ela, mas também revelará uma forte ligação com o passado obscuro da família de Liberty. O que Liberty não espera é ter de lidar com Gage Travis, o filho mais velho do magnata; o rapaz não aprova a presença dela em sua casa e fará de tudo para afastá-la de sua família... Gage apenas esquece de também mantê-la longe de seu coração. Às vezes a vida tem um senso de humor cruel, entregando-lhe aquilo que você sempre quis no pior momento possível...

Gente, que sinopse é esta? Quem a escreveu, fez praticamente um resumo do livro. Por um lado foi até bom para mim, porque li o romance no final de julho e começo de agosto, e serviu para relembrá-lo. Só por isto, porque para quem não leu, perde toda a graça.

Eu estava ansiosa para ler um romance contemporâneo de Lisa Kleypas, autora de quem sou fã nos romances de época. Eu a considero tão boa quanto Julia Quinn, contudo, infelizmente, para mim ela só é boa nos romances de época mesmo. No contemporâneo, não rolou. Eu quase desisti, mas não é um livro tão ruim para isto, só não dava vontade de continuar a ler, sabe?

Resenha: O Som do Amor

12 setembro 2019
Matt e Laura McCarthy são obcecados pela ideia de herdar a Casa Espanhola — uma construção malcuidada e quase em ruínas no condado de Norfolk, interior da Inglaterra, que tem um valor simbólico para os moradores locais. Para atingir esse objetivo, Laura, a mando do marido, faz todas as vontades do velho Sr. Pottisworth, o proprietário. Entretanto, como o homem nunca deixou nada por escrito, quem acaba por herdar a casa é uma parente distante, Isabel Delancey. Primeiro violino na Orquestra Sinfônica Municipal, em Londres, Isabel tinha uma vida tranquila com seus dois filhos e o marido, mas tudo virou de cabeça para baixo quando ele morreu em um acidente de carro e deixou uma grande dívida. Sua única oportunidade de recomeço é fincar moradia na Casa Espanhola — algo que o casal McCarthy vai tentar impedir a qualquer custo. O som do amor é um romance sobre obsessão, manipulação, segredos e paixões. Por meio de personagens carismáticos e capazes de tudo para realizar seus objetivos, Jojo Moyes mantém seu estilo inconfundível em uma brilhante história de recomeços.

Eu e minha mania de comentar sinopses. Dessa eu também gostei! Retratou bem o enredo do livro, mas não contou demais. E é bem isto mesmo: uma história de obsessão, manipulação, segredos e paixões. Você não quer parar de ler!

Matt é casado com Laura há bastante tempo, e a Casa Espanhola sempre foi o seu objeto de desejo. Sendo assim, ele convenceu sua esposa de que quando o proprietário morresse, eles se tornariam herdeiros e poderiam reformar a casa, tornando-a uma mansão. Matt é arquiteto, e sua loucura é tanta que ele tem projetos prontos para a reforma.