Resenha: Depois Daquela Montanha, @editoraarqueiro

25 novembro 2016
O Dr. Ben Payne acordou na neve. Flocos sobre os cílios. Vento cortante na pele. Dor aguda nas costelas toda vez que respirava fundo.Teve flashes do que havia acontecido. Luzes piscavam no painel do avião. Ele estava conversando com o piloto. O piloto. Ataque cardíaco, sem dúvida.Mas havia uma mulher também – Ashley, ele se lembra. Encontrou-a. Ombro deslocado. Perna quebrada.Agora eles estão sozinhos, isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Como sair dali e, ainda mais complicado, como tirar Ashley daquele lugar sem agravar seu estado? À medida que os dias passam, porém, vai ficando claro que, se Ben cuida das feridas físicas de Ashley, é ela quem revigora o coração dele. Cada vez mais um se torna o grande apoio e a maior motivação do outro. E, se há dúvidas de que possam sobreviver, uma certeza eles têm: nada jamais será igual em suas vidas.Publicado em mais de dez países, Depois Daquela Montanha chegará às telas de cinema em 2017, com Kate Winslet (de Titanic) e Idris Elba (de Mandela) escalados para os papéis principais de uma história que vai reafirmar sua crença na vida e no poder do amor. 
Olá pessoal, hoje vamos falar desse livro que é impactante em sua essência. Um acidente dois sobreviventes feridos no alto de uma montanha sem nada e nem ninguém para ajudar. Sem nenhum recurso. Como sobreviver a isso? Como se alimentar? Como ajudar a outra pessoa, quando você mesmo precisa de ajuda? E isso para falar o mínimo. É desse jeito, com essa tragédia toda que esse livro magnífico vai conquistar seu coração, da mesma forma que conquistou o meu.

O dr Ben é ortopedista e Ashley jornalista, eles se conhecem no aeroporto em meio a uma nevasca e cada precisando voltar para suas vidas. Ele para sua família e ela para seu casamento, mas o aeroporto fechou e não terá nenhum voo comercial e é nessa situação que a vida dá o primeiro sinal, será? Vocês acreditam nisso? Que o destino conspira para que façamos ou não alguma coisa e que as consequências das nossas opções poderiam ter sido evitadas? Eu sempre me perguntei sobre isso e depois desse livro essa dúvida ficou mais aflorada.

Esperar por alguém faz isso. Transforma minutos em horas, horas em dias e dias em vidas.
Pois bem ele consegue fretar um voo e oferece a Ashley uma carona e aí tudo começa. Não é spoiler nenhum mencionar o acidente porque está na sinopse isso. A trama do livro não é esse evento propriamente dito, a trama do livro é como sobreviver a isso e ainda conseguir ser solidário, como conseguir pensar no outro quando você é quem precisa de ajuda. E com essas perguntas passamos toda a leitura nos questionando sobre nossas atitudes e sobre como reagiríamos estando na mesma situação. Pelo menos eu passei todo o tempo imaginando o que faria e como lidaria com aquela realidade, e a cada vez mais dúvidas me surgiam.
A escuridão faz isso. Dá voz a medos que permaneceriam não ditos, apesar de reais, se os deixássemos sossegados.
A sobrevivência dos sois está definitivamente ligada ao fato dele ser médico, pois eles estão numa situação que nenhum de nós, sério, qualquer um que passasse por isso não sobreviveria. Mas a questão maior no livro não é essa, a questão maior é o altruísmo, o amor e a amizade. Todo o tempo Ben grava suas ações e seus dias para o caso de não sobreviver, para que sua esposa tenha ideia do que ele viveu. Ashley mesmo estando ferida de forma que sua locomoção é impossível, consegue ser firme e otimista fazendo com o que todo o tempo os dois se sintam fortalecidos e capazes de passar por aquela experiência.

Olha eu só posso dizer a vocês que esse livro é o tempo todo reflexivo, o tempo todo repleto de sensações e sentimentos conflitantes. Nos faz olhar para nossa vida e para a das pessoas que nos cercam com outros olhos e acho que no final esse era o objetivo do autor. A Arqueiro acertou em cheio em publicar essa história e ela definitivamente uma das melhores leituras de 2016.

Pegue o livro e mergulhe nas sensações de Ben e Ashley e guarde esse aprendizado para a vida. Não esqueça que toda a viagem foi necessária e todo detalhe é importante. As revelações finais nos fazem chorar involuntariamente e copiosamente. Nada que eu dissesse chegaria próximo da grandeza e da beleza dessa história. Esse é uma história que sentimos e não somente lemos. 
Não vou deixar você. Não vou ficar sozinho. Não vou encarar sua lembrança todas as vezes que fechar os olhos.

Cinco notas com louvor.

Ficha Técnica:
Autor: Charles Martin
Páginas: 304
Editora: Arqueiro
Ano: 2016

Até mais

Um comentário

  1. Um acidente dois sobreviventes feridos no alto de uma montanha sem nada e nem ninguém para ajudar. Sem nenhum recurso. Como sobreviver a isso? Como se alimentar? Como ajudar a outra pessoa, quando você mesmo precisa de ajuda?...... Essa sexta no Globo Repórter! XDD
    Cara, a sinopse não me chamou muita atenção, mas amei sua resenha! Ela sim me deixou curiosa, bem curiosa! Deve ser uma situação que putz... dá pra mim não rsrsrs acho que eu morreria facinho hahaha que horror.
    Bjo

    ResponderExcluir