Resenha: Paixão Proibida, @amazonBR

16 novembro 2016
Sinopse: "Nem todo mundo é tão vilão... e nem tão herói."Desde a primeira vez que o fuzileiro Jake colocou os olhos em Katherine, ele a desejou para si. Mas aquele que deveria ser o seu melhor amigo o traiu e a conquistou antes que ele tivesse chance de se aproximar. Muito ético, ele se afastou da única mulher que foi capaz de despertar nele sentimentos tão profundos e deixou a cidade, embarcando para uma missão oficial no Afeganistão.
Katherine vivia uma vida perfeita. Era boa filha, membro respeitada da alta sociedade de Raleigh, na Carolina do Norte, voluntária em um abrigo de animais e namorada do próximo queridinho da América, o futuro candidato a deputado, Josh MacGregor. Mas tudo isso não passava de uma mentira. Katherine desejava perder o controle: queria fazer uma tatuagem, sair para beber e se divertir, mas, mais que isso, ansiava por dar vazão à paixão proibida que sentia por Jake.
Será que Katherine e Jake terão coragem de se libertar das amarras que os prendem e se entregarão à paixão proibida que sentem um pelo outro, enfrentando a sociedade, jogos de poder e a inveja doentia e sem limites de um homem sem escrúpulos?
Paixão proibida é o primeiro conto da série Sete Pecados.
Olá pessoal, hoje vamos conversar sobre esse conto delicinha que nos fala sobre a inveja e de como às vezes a vemos pelo ângulo errado.

Jake e Josh são irmãos gêmeos, com um relacionamento relativamente amigável, mas com um sempre tendo que limpar a barra do outro. Com um sendo o filho de ouro e queridinho dos pais e o outro o vilão por sempre encobrir as besteiras do irmão e acabar levando sua culpa.

Na vida adulta, cada um seguiu seu rumo, um será um senador respeitável porque é o queridinho da cidade o outro foi para os fuzileiros navais porque lá acabou se encontrando e encontrando o verdadeiro valor de amizade.

Até que os dois conhecem Katherine em um baile beneficente e aí começa tudo... Aquele momento em que o título e o pecado se encaixam na história, eu sempre amo esse momento, onde chegamos em um ponto e descobrimos que a premissa da criação dela tem todo sentido.


Um se encantou pela jovem, o outro percebeu isso e quis para si o que seu irmão queria, simplesmente para que ele não pudesse ficar com a jovem. Por conta disso um se afastou e depois de um tempo longe e de ter a certeza que seu irmão não merece Kate, ele volta para conquistá-la e nunca mais abrir mão do seu grande amor.
Agora, pouco mais de um ano após ter partido, estava voltando para casa decidido a recuperar o tempo perdido e, conscientemente, assumir meu papel de vilão, o gêmeo malvado que voltaria para casa para recuperar aquilo que deveria ter sido dele desde o início: a noiva do meu irmão. E ela seria minha.
Kate nunca achou que aquele homem daria um segundo olhar para ela, e quando sua amiga disse que ele a estava olhando, ela entendeu que os olhares eram em direção a sua amiga. Então quando seu irmão mostrou interesse nela, começou a cortejá-la ela aceitou, mesmo que pensasse no outro o tempo todo. Isso era realmente uma coisa que a afligia, mas quando ela teve a certeza que as indiscrições de seu noivo não eram só isso, ela resolveu se libertar de todas as amarras e ir atrás de sua realização pessoal. Ela só não sabia que no processo receberia em sua vida o homem que sempre amou e que a queria tanto quanto ela a ele.
Sim, eu era uma fraude. Repetia isso diariamente para mim mesma, mas o que podia fazer se tive que me contentar com o rascunho quando a arte final não me quis?
Confesso que de início a Kate me irritou sabe, não consigo tolerar essas mulheres adultas que não são decididas e vivem sofrendo sem a necessidade, eu sei, eu sou chata, a Fabi tem me falado isso ultimamente risos, eu ando meio intolerante para alguns personagens, mas Kate conseguiu me surpreender e no final acabei gostando dela.

Achei o conto muito legal, e exatamente por ser um conto a história é dinâmica o tempo todo e até determinado momento não sabemos quem de fato é o invejoso, ou melhor não temos certeza de quem está invejando o quê ou quem.
Ele é que sempre sentiu inveja do irmão. [...] mas por inveja, me cortejou, sabendo que o irmão jamais entraria numa disputa com ele.
Adorei o conto e já estou ansiosa aguardando o próximo.

Cinco notas musicais!


Ficha Técnica:
Autor: Sophie Adams
Páginas: 43
Editora: Independente
Ano: 2016

Até mais

Nenhum comentário

Postar um comentário