Resenha: A Torre, @EditoraLeya

18 março 2017
SINOPSE: Misterioso e hilariante, “A Torre” é uma fantasia que promete fisgar os fãs de fantasia do princípio ao fim. Muito suspense, certa dose de humor, uma heroína capaz de deixar Katniss Everdeen, de Jogos Vorazes, no mínimo intimidada e uma carta encontrada no bolso que começa assim:
Querida Você,
O corpo que está usando costumava ser meu.
Encharcada pela tempestade que cai sobre o parque, ela ainda não sabe por que está cercada de cadáveres. Muito menos por que todos usam luvas de látex. Sem escolha, ela decide seguir as orientações deixadas nessa carta e encontra outras duas. Uma carta leva a outra e mais outra, e assim ela descobre seu nome: Myfanwy Thomas. E ainda que é uma Torre - uma agente secreta de alto escalão que trabalha para uma organização do Império Britânico responsável por combater eventos sobrenaturais.
Mas há um traidor nessa organização. Um traidor que a quer ver morta. E que logo perceberá que Myfanwy ainda está viva. E sem memória.
Enquanto luta para salvar sua vida, Myfanwy conhece pessoas misteriosas: um homem com quatro corpos, uma aristocrata que pode entrar em seus sonhos, crianças que se transformam em guerreiros mortais e uma conspiração que vai muito além do que poderia imaginar.
Com uma protagonista feminina forte e apaixonante, A Torre é um livro que vai envolver os leitores de fantasia em uma narrativa cativante e, ao mesmo tempo, diferente de tudo o que já foi publicado no gênero.

Olá amigos leitores! 

Como começar a falar deste livro tão diferente? Uma premissa tão instigante quando uma organização secreta que controla atividade sobrenatural, que está a serviço do Império Britânico, é claro que conquistou essa fã incauta do sobrenatural (criada assistindo Arquivo X).

Em A Torre conhecemos Myfanwy Thomas, mas não exatamente ela. Confuso? Então me deixe explicar. Nossa heroína acorda na chuva, em meio a um parque na chuva sem se lembrar de quem é e porque está ali, cercada por corpos mortos todos com luvas.
Querida Você,O corpo que está usando costumava ser meu. [...]Você sabe o nome do corpo que está? Chama-se Myfanwy. Myfanwy Alice Thomas.
Mas existe uma explicação, que vamos descobrir no decorrer da trama, para tudo que está acontecendo. Myfanwy descobre através de uma carta escrita por ela mesma que está em perigo e lhe dando duas opções: retomar a sua vida (aceitando os perigos), ou fugir de tudo e viver uma vida confortável bem longe daquilo tudo.

Ela pensa em fugir, afinal o que ela tem a ver com isso tudo? Mas depois de ser atacada e despertar um poder incrível ela resolve ficar, afinal ela se sente atraída por tudo aquilo.
Qualquer suposição que ela tinha feito sobre Myfanwy Thomas ou o que acontecera a ela era falsa. Havia muito mais no mundo que supunha, e ela queria saber de tudo.
Então ela se introduz na vida Myfanwy (aliás a pronuncia do nome é Mifani) e descobre estar filiada a uma agencia que protege o ‘mundo’ de ameaças sobrenaturais e ela é uma Torre, alguém do alto escalão. 

Aos poucos ela vai descobrindo mais e mais sobre a vida de Myfanwy, através de cartas que ela deixou. Ela era uma administradora admirável que deixou tudo preparado, desde dossiês sobre todos os membros até as minúcias do dia a dia que Thomas teria que passar.

Só que Thomas é bem diferente de Myfanwy, ela é decidida enquanto sua predecessora era frágil, apesar de ter sido treinada desde muito jovem ela era assustada e não conseguia se impor aos seus subalternos. Mas Thomas ao assumir sua vida começou a mudar isso, aprendeu a usar os seus poderes com uma facilidade notória, e gostava de usa-los, diferentemente de Mifanwy e isso a ajudou a sair de umas boas enrascadas.

Eu realmente adorei o livro A Torre e quero muito ler a continuação, que já foi publicada lá fora, o único incomodo que tive foram as cartas de Myfanwy que apesar de serem muito importantes eram por vezes enfadonhas, mas isso serviu para discernir a personalidade de Myfanwy Thomas de antes da perda de memória de Torre Thomas, duas pessoas completamente diferentes que habitaram o mesmo corpo.

Temos nesse livro vários tipos de seres e situações sobrenaturais, temos vampiros, fantasmas poderes como exalar venenos pela pele, ou um ser muito poderoso que controla quatro corpos ao mesmo tempo.
E aqui estou eu, a caminho de Bath, para observar o cântico de uma casa  que come gente.
É um livro digno pra quem ama uma ficção com um quê de investigação e muito suspense, confesso que não descobri quem havia feito tudo com Thomas até as ultimas páginas, e realmente tive uma surpresa com o final.

A estrutura da agencia, tendo seus ‘chefões’ intitulados como peças de xadrez é bem interessante e dá uma emoção muito boa ao irmos descobrindo as funções de cada um e suas influencias.

Enfim eu dou quatro estrelas para esse livro, adorei o trabalho feito pela Editora Leya, com a capa e a diagramação, as folhas são amareladas e bem agradáveis para leitura.


Beijinhos da Paty ;)

*Essa resenha foi gentilmente feita pela Paty do Paty Bookaholic

13 comentários

  1. Olá,

    O livro de certo modo me deixou com um pouco de medo de fazer a leitura, mas pro outro lado fiquei um pouco interessado, principalmente pela sinopse que parece desafiar o leitor e encorajá-lo a fazer a leitura. Anotei a dica, adicionei na minha lista de desejados e irei fazer a leitura assim que surgir uma oportunidade, adorei a resenha! ♥

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
  2. O livro já me conquistou ao conter a palavra "sobrenatural". Gente que história incrível! Estou louca para saber mais sobre a vida da Myfanwy e o motivo de Thomas ter ido parar no corpo dela. Adoro histórias que contém mistérios e seres sobrenaturais, parece ser um livro viciante. Ótima resenha, já vou adicionar esse livro a minha lista com certeza, bjss!

    ResponderExcluir
  3. Oie, que livro curioso e diferente. Não estou acostumada com o estilo, mas me pareceu que traz elementos em uma abordagem que ainda não vi. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele realmente é diferente! Vale muito a pena ler!

      Excluir
  4. Adoro histórias que conseguem envolver seres sobrenaturais sem que pareça algo forçado e exagerado.
    Ainda não conhecia este livro, mas sem dúvida alguma já estou ansiosa para lê-lo.

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Adoro livros de ficção com muito suspense. Eu ainda não tive a oportunidade de ler a história, mas estou bm curiosa, e ainda tem essa capa que me deixou encantada. Adorei a dica!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  6. Olá
    É uma premissa bem diferente e pela capa podia jurar que era algo voltado para o medieval. Não conhecia a obra, mas fiquei curiosa imagina como seria acordar e não se lembrar de muita coisa e depois depara com cartas escritas para vc de você mesma? Deve ser bem bacana. Dica mais que anotada. Amei a resenha!

    ResponderExcluir
  7. Confesso que nunca li nada do tipo mas fiquei bem curiosa com a sinopse e ao ler sua resenha percebi que vou gostar da leitura. Eu ainda não conhecia a obra mas achei bem cativante.

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  8. Se não fosse pelo fato de ter continuação, provavelmente eu me interessaria pela leitura, só para entender direitinho o que se passa nessa história. Achei o enredo intrigante e fiquei curiosa para saber o motivo desses mortos com luvas, coisa mais esquisita... rs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele tem continuação mas esse primeiro livro é bem fechadinho. Dá pra ler sem medo.
      ;)

      Excluir
  9. Olá, tudo bem? Acho essa edição da Leya belíssima, muito caprichada, mas confesso que o gênero...me deixa com pé atrás haha Não sou muito de ler sobre ficção com suspense, até porque não gosto muito, e não sei se seria bom começar por esse. O que você diz? Acho a premissa interessante, mas ainda tenho minhas dúvidas. Ótima resenha!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não recomendaria começar por esse, você pode acabar não gostando porque ele é realmente bem diferente de um livro de ficção normal. Mas vale a pena em algum momento se aventurar nele, justamente por ser tão diferente do que estamos acostumados.

      Beijinhos ;)

      Excluir