Resenha: A Rosa Branca, @EditoraLeya

28 março 2017
Sinopse:
“A CONTINUAÇÃO DE DA CIDADE SOLITÁRIA PROMETE SER AINDA MAIS EMOCIONANTE!
No livro "A Joia", primeiro volume da série - A Cidade Solitária - Violet Lasting é comprada por uma das mulheres mais poderosas da realeza, a Duquesa do Lago, e vai viver com ela na Joia, o círculo onde mora toda a nobreza. Agora, Violet tem de fugir da Joia, do círculo nobre da Cidade Solitária para salvar a própria vida e a do seu amor, Ash. Junto com seu amado e Raven, sua melhor amiga, Violet tenta se libertar da terrível vida de servidão e crueldade. Só que ninguém disse que deixar a Joia seria fácil, e ela terá que passar por grandes obstáculos. No meio disso tudo, a jovem ainda descobre que há uma revolução sendo planejada contra a realeza e que seu papel nisso é fundamental. É hora de Violet descobrir que é muito mais poderosa do que sempre imaginou! A Rosa Branca é o segundo volume da trilogia "A Cidade Solitária" e traz novas e incríveis reviravoltas. Será impossível não ficar ansioso pelo último livro da saga”

A Rosa Branca inicia-se exatamente do ponto em que se encerrou em A joia. O que nos leva a ler o livro de maneira ávida a fim de continuar a desvendar o universo que em que Violet Lasting está. 

Violet que foi comprada em um leilão para a nova duquesa, sendo sua substituta assim gerando-lhe um filho no futuro para ela. Estar na Joia a faz ver os horrores da vida das pessoas da nobreza, a faz querer fugir de tudo, porém lá ela encontrou uma verdadeira amizade e seu grande amor.


Porém após ser encontrada pela duquesa na cama com seu grande amor Ash, as coisas saem completamente do controle, ela é presa e espancada e ele colocado em um calabouço para que morra logo em breve, após esse gigantesco ato de traição.


Surpreendendo a todos, eles contam, com pessoas da própria Jóia que os libertam e assim eles partem afim de proteger a si próprios e estarem em um lugar seguro, isso os leva numa viagem arriscada à uma cidadela que se chama A Rosa Branca.

Lá se surpreendem em encontrar outras pessoas em uma missão afim de libertar a sociedade desta política assustadora e cruel em que vivem o que ela não poderia imaginar e que descobrindo durante a viagem sobre o passado da Cidade Solitária, ela descobre cada vez mais sobre si própria e sua linhagem e que está mais envolvida nessa nova revolução do que esperava.

"Substitutas não são meninas bobas que podem ser compradas e vendidas, tratadas como animais de estimação ou peças de mobília.
Somos uma força a ser reconhecida e respeitada."

Amy Ewing, nos deixa ainda mais cativados neste segundo livro da trilogia e desesperados pelo terceiro livro, Editora Leya colabora com a gente, rs, não nos deixe sofrer.

O enredo distópico tem as doses certas de romantismo entre o casal e suspense dos dramas envolvidos, eu adoro distopias e não poderia ser diferente com está, então são 5 notas musicais com toda certeza, torcendo para que The black key, chegue no Brasil logo mais.



Um grande abraço e até mais!

Ficha Técnica:

Autor: Amy Ewing
Páginas: 320
Ano:2016
Editora: Leya

Nenhum comentário

Postar um comentário