Resenha: Cartas para uma falsa dama @harlequinbrasil

09 julho 2017
Sinopse: Ainda recém-casado, o conde Tristan deixou sua esposa para defender o ducado da Bretanha. Dois anos se passaram desde a última vez que Francesca vira o belo rosto do marido. Durante todo esse tempo, ela escreveu incessantemente para Tristan, mas não recebeu resposta. Nem mesmo após descobrir que não era a filha verdadeira do conde Myrrdin. Aflita, ela esperava receber o pedido de anulação do casamento a qualquer momento. Porém, quando Tristan retorna, Francesca percebe que não é a única assombrada por segredos do passado.
A bela Lady Francesca casa-se ainda muito jovem. Trata-se de um casamento aristocrático e político. O noivo? O conde Tristan des Iles, ou, como é conhecido, Tristan le Beau – em francês, o belo. O casamento é acordado para que Tristan receba pelo casamento o condado de Fontaine, que é de posse do Conde Myrrdin, pai de Francesca. Como o Myrrdin não tem um herdeiro varão, o genro assumirá o título após a morte de seu detentor. Para Lorde Tristan é um enlace perfeito, pois o condado de Fontaine faz fronteira com seu próprio condado a beira mar. Pouco tempo depois do enlace, Tristan é convocado a defender os interesses do Ducado da Bretanha – e antes que você se engane, a Bretanha é localizada até hoje á noroeste da França e não está ligada à Grã-Bretanha que conhecemos hoje, visto que Bretanha e Grã-Bretanha são divididos territorialmente pelo Canal da mancha.

É com relutância que Lorde Tristan atende ao chamado, pois seu casamento ainda é recente, e embora desfrutem de uma excelente química sexual, estão longe de ter um relacionamento sólido. Eles esperam se separar por mais de dois meses, mais as coisas se complicam, e Tristan fica afastado do lar e da esposa por quase dois anos. Como se isto já não fosse suficiente para minar o promissor relacionamento entre eles, durante a ausência de Tristan, Francesca recebe uma revelação bombástica: Ela não é a filha legítima do conde Myrrdin, portanto, não é herdeira do mesmo. Desta forma, Tristan não receberá o condado de Fontaine como era esperado, mas sim o marido de Lady Claire, a legítima herdeira.


Embora Francesca desenvolva um bom relacionamento com Claire, ela prefere se afastar da família e lar que achava que lhe pertenciam. Ela parte para uma das mansões do marido, Paimpoint, e de lá tenta estabelecer comunicação com o marido. Mas, apesar das inúmeras cartas enviadas a Tristan, Francesca nunca recebeu uma resposta. Estaria Tristan querendo a anulação de seu casamento para, que desta forma, possa buscar um casamento aristocrático de fato? Convencida disto pela falta de correspondência do marido, Francesca começa a traçar planos para o futuro.

Dois anos após ser obrigado a deixar a esposa para cuidar dos interesses do Ducado da Bretanha, Tristan retorna para casa e descobre que sua silenciosa esposa está vivendo numa de suas propriedades mais afastadas da capital. Ele parte a seu encontro com a missão de levá-la até Fontaine para se despedir do conde Myrrdin que está morrendo e para lhe pedir a anulação do casamento, uma vez que ela nunca respondeu as suas cartas. Ao chegar em sua propriedade, ele é informado de que sua esposa compareceu a um baile numa propriedade vizinha. Não querendo adiar o encontro, ele parte para lá. Chegando ao baile, ele vê sua esposa sendo puxada para um corredor escuro por um homem desconhecido. Saindo ao encalço dos dois ele vê sua esposa tentando se desvencilhar do homem que tenta beijá-la.
Forçosamente, ele se posicionou entre os dois e arrancou seu elmo. [...] Ignorando o som de surpresa de Francesca ao reconhecê-lo, Tristan olhou irritadamente para o molestador.

- Se tocar novamente em minha esposa, morrerá.
O homem ficou de queixo caído. Seu olhar baixou para Francesca, e ele fez cara feia.
- Não me disse que tinha um protetor. [...] Existe uma palavra para descrever mulheres como você.
A raiva explodiu, sombria e primitiva. Tristan sentiu vontade de esmurrar o homem até deixá-lo no chão.
- Cuidado com o que diz.
Ao rever sua esposa, Tristan percebe que não será tão fácil pedir a anulação do casamento. Percebe que ainda tem sentimentos por Francesca que vão além da atração física. E durante a jornada até Fontaine, ele decide reconquistar sua esposa e salvar seu casamento. Entretanto, os mistérios que envolvem o passado de Tristan vão se tornar sérios obstáculos a serem superados. Conseguirá o casal confiar incondicionalmente um no outro para permanecerem juntos? Só mesmo lendo pra saber.
- Quero mais do que isso. – Francesca beijou o peito dele. – E você também quer.

- Não negarei. - A boca dela se contraiu quando ele acariciou o alto da cabeça dela. – Francesca, você está de luto. Não seria certo.
- Nem mesmo se eu quisesse?
- Não me aproveitarei de você.
Ela beijou o peito dele e permitiu que sua mão vagasse pela cintura de Tristan. As pontas de seus dedos foram lentamente na direção do abdômen de Tristan. Ela o ouviu inspirar fundo e sorriu.
- Você é nobre demais. Pense numa coisa... E se eu quiser me aproveitar de você?
Duas coisas chamaram bastante a minha atenção neste livro: 1º Temos a inesperada demonstração de reflexão sobre os sentimentos e sobre o relacionamento por parte do personagem masculino. No início me causou um certo estranhamento, pois isto geralmente se restringe a protagonista. Então tiro o chapéu para a Carol Townend pela iniciativa. Outro ponto positivíssimo é o domínio e conhecimento acerca do período histórico em que o livro se passa. Carol é formada em história, então isto já era de se esperar, mas a forma com que ela insere todo o seu conhecimento na escrita, faz com que o leitor queira pesquisar cada dado apresentado. E isto vai para além do vestuário, comportamento e títulos. Ela apresenta a paisagem de uma forma inigualável – acredite, você vai querer saber como são as potentilhas que estão no brasão do Tristan -, As cidades citadas vão te dar vontade de pegar um mapa e procurá-las e, caso o faça, você encontrará várias, uma vez que seus nomes não foram modificados até hoje! Os conflitos políticos são abordados de forma brilhante! Palavra de historiadora, Carol Townend escreve sobre o período medieval como ninguém!

O livro termina de forma satisfatória, mas eu queria tanto saber quais são as origens de Francesca e se o casal consegue gerar um filho. Mas detalhes a parte, a edição está simplesmente linda! Embora a foto da capa faça parte de um ensaio já utilizado em outras capas do gênero, a perspectiva é que nos surpreende! Isto sem falar, no cuidado que o figurinista teve em utilizar um vestido e joias que condizem com o período em que se passa a trama. Eu amei a história e a edição! 

Vida longa à nova fase da Harlequin!!!!

Ficha Técnica:
Autor: Carol Townend
Páginas: 253
Editora: Harlequin
Ano: 2017

Até mais

Resenha feita por Morgana

Um comentário

  1. Olá!
    Não conhecia esse romance e nem a autora, gostei de conhecer e saber mais sobre a história. Estou bem empolgada com romances de época, adoro esses casais que vão descobrindo os sentimentos ao longo da leitura. Espero poder conferir em breve esse lançamento da Harlequin.

    beijos!
    http://blogdatahis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir