Resenha: Não Conte Nosso Segredo, @hooeditora

03 novembro 2017
Sinopse: Com o namorado dos sonhos, o cargo de Presidente do Conselho Estudantil e a chance de ir para uma Universidade de Ivy League, a vida não poderia estar mais perfeita para Holland Jaeger. Ao menos, é o que parece. Até que Ceci Goddard chega na escola e muda tudo. Ceci e Holland têm sentimentos que não conseguem esconder, mas como todos ao redor vão lidar com este novo romance?Entre intrigas, preconceitos e a não aceitação dos pais, Ceci e Holland lutam para manter-se juntas, mas o amor delas pode não ser tão forte quanto as críticas da sociedade...Não conte nosso segredo é o primeiro livro da autora Best-seller no New York Times, que promete emocionar leitores de todas as idades e gêneros.

Olá pessoal, sabe quando você pega aquele livro e não sabe nem por onde começar? Que a melhor resenha para ele seria um vídeo foda, onde você pode externar todo o seu sentimento? Então esse livro tem nome: Não Conte Nosso Segredo. Antes de mais nada precisamos deixar claro que a equipe do Notas Literárias repudia todo e qualquer tipo de preconceito, e homofóbicos não passarão, simples assim. Somos a favor de toda e qualquer diversidade. E amor é sempre amor. Ninguém escolhe a quem amar. Amor é reconhecimento. Isto posto, vamos falar dessa história que me fez repensar muitas coisas.

A verdade é que eu li dois livros homoafetivos seguidos, então acho estava mais sensível que o normal sobre o assunto. Mas do outro livro eu falarei depois, pois vai rolar uma postagem exclusiva sobre a série. Mas voltando ao nosso livro, Não Conte o Nosso Segredo é um livro que precisa ser lido por todos, principalmente por quem tem filhos adolescentes onde normalmente a tensão e a crise de sexualidade aflora. Aqui encontramos duas personagens totalmente diferentes no que tange ao entendimento de sua sexualidade.

Holland é a menina de ouro, excelente notas, menina com futuro garantido em uma grande universidade, presidente do grêmio estudantil e namorada de um carinha super cool... Mas dentro si sente uma angustia que não condiz com sua vida. Apesar de uma mãe que tenta pensar e viver por ela as experiências que nunca viveu. Quer que a filha seja a advogada que ela queria ser. Quer que a filha vá para uma universidade de grande porte, porque ela deve querer tudo o que ela mesma quis, confuso né?!?! Imagina para uma adolescente?? Ela não se sente muito feliz com sua relação também. Seu namorado é seu grande amigo e ela acha que namoro e sexo é superestimado. Mas ele é tudo o que sua mãe quereria para ela, então ela permanece ali, até a chegada de alguém que vai balançar suas estruturas.
Era assim com Ceci. Um interesse inocente. Eu a admirava. Ela era forte, autoconfiante. E tão Legal. Atraente de um jeito que só outra garota conseguiria ver.
Ceci chegou na escola durante o período letivo, o que a levou ali ninguém ainda sabe. Lésbica assumida, inclusive em suas t-shirts, logo percebeu que foi parar num antro de estudantes homofóbicos. Apesar das políticas da escola para inclusão ela não consegue nem autorização para um grupo LGBTQ+ e isso a incomodou bastante. Holland começou a se sentir atraída pela nova colega, e aí em sua aula, inútil de desenho (essa opinião não é minha que fique claro), ela começa a observar aquela menina com mais atenção e começa a perceber que toda a atenção e ansiedade em ver sua nova colega tem outra origem. E aí reside todo o problema.
Ela se afastou, mas não antes que eu desse uma boa olhada em sua camiseta. Dizia: SOU. E VC?
Uma história cheia de luta e sofrimento, onde você observa os corações de duas meninas que se amam sendo pisoteado por todos que as cercam, por aqueles que deveriam ser seus amigos e principalmente por aqueles que deveriam zelar por suas felicidades. O contraste entre as mães de cada uma delas é gritante e nos faz, enquanto mães, refletir se o que importa mais é aquilo que queremos e a sociedade nos convencionou, ou se o que realmente vale a pena é a felicidade de nossos filhos.
Tínhamos uma política forte contra o bullying, mas que diferença havia entre isso e abuso ou discriminação? Tudo tinha a ver com ódio. Deveria haver leis. Havia leis? É possível legislar contra o ódio? Por que não discutimos isso em nenhuma das aulas sobre política?
A sensibilidade e crueza da história, onde não tem panos quentes nas reações mais constrangedoras, mas que nos dá um alento nas reações das pessoas que tem o fato esclarecido, me fez considerar essa uma das melhores leituras do ano sem sombra de dúvidas. O amor dessas duas meninas veio para nos mostrar os conflitos dos jovens e para nos ensinar que o amor e a conversa resolve tudo.
Estavam errados quando chamavam isso de “estar no armário”. Era uma prisão. Confinamento em solitária. Eu estava trancada do lado de dentro, dentro de mim, no escuro, com medo e sozinha.
Cinco notas musicais sem sombra de dúvidas e o principal, super favoritado. Ceci e Holland aquele casal lindo que você respeita!!

Ficha Técnica:
Autor: Julie Anne Peters
Páginas: 352
Editora: Hoo
Ano: 2017
Até mais

11 comentários

  1. aaaaaaahhhhhhhhhh que resenha linda, que defesa linda, que tudo lindo é esse, gente? Conheço o livro, mas infelizmente não tive oportunidade de ler, também conheço a qualidade da editora e sei que sai bastante coisa boa.

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Não conhecia o livro ainda, mas já me apaixonei pela premissa de tão bem que você falou dele na sua resenha. Vou anotar a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Amei a história e fiquei super interessada na leitura. Gosto muito de ler livros com personagens lgbt+ e acho que iria amar esse.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  4. Oi tudo bem?
    Adoro livros com a temática LGBT pois assim como você acredito que o que vale é o amor de todas as formas, vou anotar a dica!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. A trama parece ser ótima e real, o que com certeza me faria mergulhar na história. Não conhecia o livro e fico feliz com a sua resenha, demostra bem seus sentimentos em relação a leitura.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oiee Anastacia ^^
    Acho que em todos esses anos nessa indústria literária (hehe), eu só li um livro que tivesse como protagonista um casal LGBT feminino. Eu ando saturada de romances entre meninos e meninas porque são todos tão iguais e sempre me tiram do sério, seja pelo fato de os autores insistirem em criar meninas dependentes dos meninos ou meninos bad boys e "misteriosos". Já tinha visto a capa deste livro antes, e já era doida para lê-lo. Ver que você gostou me animou ainda mais.
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?

    Conheci o livro na bienal desse ano e achei a premissa interessante. Como nunca li nada sobre essa temática, anotei o nome do livro para quem sabe futuramente ler essa história.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá, eu já tinha visto essa capa mas eu não tenho vontade de ler eu passo a dica dessa vez não tenho nada contra sobre o amor, mas eu não tenho vontade de ler esse livro, não por enquanto

    ResponderExcluir
  9. Oi Anastasia.

    Eu não conhecia este livro e até o momento eu li duas história que abordam LGBT e até achei interessante. Como você mencionou que é uma história cheia de luta e também sofrimento, acho que vale a pena adicionar na meta de leitura.

    Bjos

    ResponderExcluir
  10. Já tinha visto esse livro, mas não tinha lido nem sinopse nem opinião nenhum e a sua foi a primeira. Concordo com sua opinião e deixo aqui meus parabéns, a tempos não lia uma resenha tão caprichada, bem escrita, revisada e com uma opinião bem argumentada. Amei!!! Continue esse ótimo trabalho. Com certeza fiquei curiosa para ler esse livro, pode deixar que a dica foi mais que adotada!!!!

    Leituras, vida e paixões!!

    ResponderExcluir
  11. Esse livro aprece emocionante, é bom ver que esse blog não tem preconceitos e com isso pude ler essa resenha maravilhosa! Fiquei bem curiosa com relação ao livro, muito obrigada pela recomendação!

    Beijos!!!

    ResponderExcluir