[Chapter Reveal] - King: Sinister Knights MC 2, by Aria Cole

21 fevereiro 2018

Hello pessoas tudo certinho?? Hoje vamos liberar para vocês um trechinho de King, da autora Aria Cole. Segundo livro da série Sinister Knights MC. A sinopse em tradução livre está AQUI, e sobre o primeiro livro, Ryker, você pode ler AQUI.

Ontem, a autora liberou a capa e a sinopse de Saint, terceiro e último livro da serie que tem Jase Dean na Capa. Se você perdeu essa postagem, dá uma olhadinha AQUI.

Ah lembrando, o trecho está em tradução livre e se você for usar qualquer parte, dê os créditos ao blog, ok?!?

Então preparem-se pra conhecer um pouquinho mais de King 😉💗



Piper

"Eu o amo, Piper. Eu sei que já disse isso antes, mas eu tenho certeza desta vez. Sério, "Anna respirou na minha orelha, apertando meu cotovelo uma vez.
"Ryker está chateado com você. Eu posso ver isso. Está parecendo um urso velho e mal-humorado nos olhando agora ..."



Ryker bufou, dando um logo gole de sua garrafa de cerveja. 

"Apesar da sua disposição lindeza, fico feliz por você estar de volta." Olhei para o homem da hora, ainda pairando a poucos metros de sua garota, apenas estando por perto, olhando como se estivesse pronto para roubá-la para longe de mim a qualquer momento.
Ele provavelmente vai.


Eu suspirei, os olhos indo não pela primeira vez até King, franzindo o cenho do outro lado da sala, com uma garrafa de cerveja em sua mão. Eu estava desejando ultimamente que King me olhasse da mesma maneira que Ryker estava olhando para Anna agora.


Anna merecia ser feliz, e eu sabia sem sombra de dúvida que Ryker era o homem que a faria feliz. Mas isso não significava que eu não estivesse meio enciumada com o amor que ela achou. Eu perdi muito mais tempo na fazenda nos últimos anos desde que Ryker subiu ao condado, não que Anna precisasse de uma babá, mas Ryker foi difícil com ela.


Algumas noites eu a abraçava na cama e a deixava chorar no meu ombro.

Não havia nada mais que eu pudesse fazer.


Anna não estava apenas se recuperando de um assalto sofrido pelas mãos de alguém em quem confiava. Mas então, Ryker, a pessoa que a salvou de um destino muito pior, também foi roubado de sua vida. Anna nunca foi a mesma pessoa depois que ele foi preso.

E agora que Ryker estava de volta e o rosto de Anna estava coberto com um sorriso radiante, fiquei com apenas uma pessoa em minha mente.


Alguém que eu observava pelas sombras há anos, apenas fora do alcance, amplo e preocupado e mais esperto do que qualquer outra pessoa que eu já conheci.

Eu cresci como irmãzinha para os Sinister Knights, mas desde o início, eu tive uma paixão incontrolável pelo mais silencioso da tripulação, King Williams. Sempre pensativo, respeitoso, com um senso de humor irônico e uma barba cheia que sempre deixava com um frio na barriga.


"Vou te enviar uma mensagem mais tarde, ok?" Anna sorriu, a mão de Ryker puxando-a de mim já.

"Divirta-se!" Eu acenei pra ela, incapaz de não ser contagiada pelo seu sorriso infeccioso. Eu não adorei nada além de ver meu melhor amigo feliz, mesmo que o cara que a faz se sentir desse jeito seja um filho da puta grande, alto e assustador.
Cada um deles, eu percebi.


Assim que meus olhos se instalaram no sistema de som configurado em um canto, King apareceu, com a cabeça inclinada e os olhos treinados muito alinhado aos meus.

Ele era tão devastador que quase fiquei sem fôlego.
Ele fechou a distância, seus olhos nunca deixando o meu, e de repente estava no meu espaço e me deixando sem fôlego.


"O-oi", gaguejei.

"Piper." Ele acenou com a cabeça, pegando no meu ombro, mil coisas tácitas em seus olhos.
Eu mordi meu lábio inferior, não consegui formar uma única palavra.
King e eu tínhamos uma centena de conversas sobre uma centena de coisas diferentes ao longo dos anos, mas agora eu estava de repente sufocando com minha língua.
"Como Anna está?", Finalmente King perguntou, deixando seu olhar.
"Ótima, agora que Ryker está aqui".


King assentiu com a cabeça, um sorriso malicioso que surgiu em um lado de sua boca.

O ar estava pesado entre nós, a energia tão espessa e sufocante que quase me arrastava por estar tão perto. Eu já não me sentia como uma menina ao lado desse homem; me sentia uma mulher, independente e forte, digna de sua atenção.


Apertei meus lábios juntos, o estômago girando até o ponto de irritação vertiginosa antes que os primeiros acordes de uma música de Tom Petty passassem pelo aparelho de som.

Eu cobri meus lábios, sufocando uma risadinha quando pensei em uma noite de verão, quando Ryker e King pegaram Anna e eu depois da meia-noite, rindo enquanto conversávamos sobre meninos em que estávamos flertando. Mesmo assim, King me sugou, a maneira escura em que sua energia sugava todo o ar de uma sala. Ele me deixava louca desde o primeiro dia.


"Quer dançar?", disse, meio arrependida.

Seu sorriso sombrio apareceu, os olhos dançando antes de uma palma escondida na minha cintura e me puxou alguns centímetros mais perto de seu corpo.
Eu quase perdi minha cabeça então.
Eu engoli a bola de nervos na minha garganta e deslizei minha mão ao longo do músculo duro de seu braço.


"A única pessoa que quero abusando desse lábio bonito sou eu", murmurou King, apertando meu lábio inferior e puxando-o de sua prisão sob meus dentes.

"Ah".
Seu sorriso se aprofundou quando ele torceu os dedos, girando-me em um círculo sob o braço e depois me inclinando para um mergulho profundo. O forte ângulo de seu nariz romano subiu pela minha garganta, os lábios escovando minha pele ardente e quente e quase me fazendo desmaiar em um buraco entre suas botas de couro.


"Eu juro, toda vez que ouço essa música, eu penso com você." Ele puxou meus lábios mais perto, ligeiramente tocando enquanto dançamos perto. Sua mão estava na parte de trás das minhas costas, juntando um pouco mais os corpos.

"Sério?", Perguntei.


Ele assentiu, com os olhos inclinados para o teto enquanto pensava. "Quando Saint, Ryker e eu ensinamos a você e a Anna como dirigir usando o velho trator em volta do pasto. "

Eu balancei a cabeça, rindo da lembrança. Anna tinha bloqueado a transmissão manual antiga pelo menos uma dúzia de vezes, e quando Ryker estava prestes a perder, ele chegou ao volante para provar um ponto e o motor realmente parou. 


"Esse foi um dia divertido." Eu ri. "Tivemos muitos dias divertidos", disse ele, a outra mão escorregando pela minha nuca, me aproximando um pouco mais de seu rosto. Me deixando um pouco mais bêbada tão perto dele.

"Se lembra quando Prez quase pegou você e Anna fugindo por sua janela uma noite?" 
"Oh, sim." Eu acenei com a cabeça, a memória fraca ficou cada vez mais clara quando lembrei de que King puxou sua moto apenas no momento que Prez estava prestes a perguntar para onde estávamos indo. Em vez disso, ele pensou que só estávamos conversando com King, o que olhos não veem, o coração não sente.


"Nós nunca saímos naquela noite, ficamos muito assustadas e rastejamos de volta para a janela de Anna. Nós fizemos pipoca e assistimos Clube dos Cinco." 

" Eu sei." King exalou no meu pescoço, enviando um arrepio passando por minha coluna. "Como você sabe?" Ele passou os dedos pelos meus cabelos em minha têmpora, seu corpo rígido pressionado tão perto do meu, eu tinha certeza de que podia sentir sua ereção pesada estendendo-se pelo meu umbigo. "Você acha que eu teria deixado você sair? Eu livrei sua cara com Prez, mas isso não significa que eu não sabia o que estava fazendo. Eu teria te dados uns tapas na bunda se tentasse sair novamente. "


Meus joelhos ficaram fracos, minha respiração de repente falhou quando pensei em seu corpo contra o meu, nossas roupas jogadas no chão, seus lábios traçando as linhas do meu corpo. ... Suas mãos calejadas passeando até minha parte traseira, o vestido que atravessava as coxas de repente me sentindo com roupa demais nos separando. 


Eu não sabia o que o amanhã poderia trazer, mas eu nem me importei. Só ter as mãos de King em mim era uma fantasia que eu sonhei tantas noites que nem poderia começar a contar. Agora, aqui estava, tão perto e no lugar certo.
  

"King!" A voz de Prez surgiu do outro lado da sala. King suspirou pesadamente, as mãos nas minhas costas com a testa encostada na minha. "Eu realmente não queria responder, mas preciso." 

Eu passei uma mão em seus cabelos, meu desejo de purgar o rosto de seu rosto forte. "O dever chama." "Então sim." Seu aperto na minha parte traseira afrouxou, os lábios pairando apenas fora do alcance. Eu engoli, esperando, implorando silenciosamente para seus lábios tocar o meu, antes que Prez berrasse uma última vez.
"King! Agora!” Meu belo e pensativo motociclista grunhiu em voz baixa, balançando a cabeça uma vez, os olhos nos meus por um longo tempo antes de se virar, de cabeça baixa, e se afastou de mim. 


Ter King para mim nunca seria fácil em torno dos Sinister Knights. O que eu estava pensando? Que talvez já estivéssemos finalmente na nossa hora? Eu estava sob a influência da contagiosa merda da Anna, Tom Petty e seus “corações quebrados”, e aquele cheiro masculino delicioso e almiscarado que parecia seguir King em todos os lugares. Quem diabos cheirava bem assim o tempo todo?


Pois é, vocês também leram isso imaginando o Fanggy falando tudo isso?? Porque eu sim. Inclusive a Resenha se Ryker sairá em breve e eu falo exatamente isso, ler tudo o que está ali imaginando o Stu não é de Deus (rsrsrsrsrs), mas estamos aqui para isso, não é mesmo??!!?

Espero que vocês tenham gostado.

Até mais!!

Nenhum comentário

Postar um comentário