Resenha: O Príncipe Corvo, @editorarecord

07 março 2018

Ao descobrir que o conde de Swartingham visita um bordel para atender suas “necessidades masculinas”, Anna Wren decide satisfazer seus desejos femininos... com o conde como seu amante. Chega uma hora na vida de uma dama...Anna Wren está tendo um dia difícil. Depois de quase ser atropelada por um cavaleiro arrogante, ela volta para casa e descobre que as finanças da família, que não iam bem desde a morte do marido, estão em situação difícil. Em que ela deve fazer o inimaginável... O conde de Swartingham não sabe o que fazer depois que dois secretários vão embora na calada da noite. Edward de Raaf precisa de alguém que consiga lidar com seu mau humor e comportamento rude. E encontrar um emprego. Quando Anna começa a trabalhar para o conde, parece que ambos resolveram seus problemas. Então ela descobre que ele planeja visitar o mais famoso bordel em Londres para atender a suas necessidades “masculinas”. Ora! Anna fica furiosa — e decide satisfazer seus desejos femininos… com o conde como seu desavisado amante.

Anna ficou viúva após apenas alguns anos de casamento, que não rendeu filhos. Ela mora com sua sogra e uma criada em uma humilde casa, e precisa trabalhar para arcar com as finanças domésticas. Só que não era fácil para uma mulher daquela época arrumar trabalho, não eram muitas as profissões onde as mulheres eram bem aceitas. 

Do outro lado temos Edward, o conde de Swartingham, que precisa de um secretário com urgência. Ele dá alguns dias ao seu funcionário para encontrar alguém competente para cumprir as funções, e esta pode ser a oportunidade de Anna. Afinal, procura-se alguém que tenha boa escrita e ortografia, e isso ela tem. Mas o conde procura um secretário, e não uma secretária. É aí que os problemas começam. Ou será que a partir daí se resolvem?

Preciso contar a você que o conde também é viúvo, e é claro que tem suas necessidades de homem. Para saciá-las, ele vai a Londres com frequência, em um bordel chamado Gruta de Afrodite. Falando em necessidades, se você é como eu e gosta de romances de época, sabe que o título somente é mantido na família quando o homem possui filhos. E o casamento de Edward também não rendeu frutos. Então ele precisa de uma mulher com urgência, uma que possa lhe dar filhos. 

Como se ela fosse acreditar nessa tolice de que ia a Londres para atender uns assuntos de seu trabalho. Era uma mulher madura. Sabia onde o conde ia fazer seu trabalho. Naquele asqueroso bordel. Um soluço cortou sua respiração. Ia a Londres para deitar-se com outra mulher. 

Para completar, Anna é uma dama ousada e ela resolve ir à Gruta de Afrodite resolver as suas necessidades, juntamente com as do conde. Reviravoltas surgirão a partir daí (ainda mais), só que daqui pra frente não posso contar, porque quero que você leia o livro.

Eu gostei bastante desse romance. É um pouco clichê, é verdade, mas quem não gosta de um bom clichê? Porém, O Príncipe Corvo vai muito além: é uma história de amor e de aceitação, de aceitar as pessoas pelo que elas são. Afinal, Anna não é bonita, e Edward é repleto de marcas de varíola, doença que levou embora toda a sua família. É uma história muito linda! 

Ficha técnica:
Autor: Elizabeth Hoyt
Editora: Record
Ano: 2017
Páginas: 350

Nenhum comentário

Postar um comentário