Resenha: O Chefão

13 junho 2018
Sinopse: Um romance sexy de um dos grandes nomes da literatura erótica mundial.
Na primeira vez que vi Chase Parker não causei exatamente uma boa impressão. Eu estava escondida no banheiro de um restaurante, mandando mensagem de áudio para minha melhor amiga me salvar de um encontro horrível. Ele ouviu, disse que eu era uma canalha e começou a me oferecer conselhos não solicitados de namoro. Eu disse a ele que cuidasse de sua própria vida e voltei para meu encontro miserável. Ao passar pela minha mesa ele sorriu e eu assisti seu traseiro sexy e arrogante voltar para seu jantar. Não pude evitar trocar olhares com o idiota condescendente do outro lado do restaurante. Quando o deslumbrante desconhecido e sua acompanhante apareceram de repente em nossa mesa, pensei que ele iria me denunciar. Mas, ao invés disso, ele fingiu que nos conhecíamos e se juntou a nós – contando histórias elaboradas e embaraçosas sobre nossa suposta infância. E, sem que eu me desse conta, meu encontro tedioso se tornou extremamente excitante. Depois que nos separamos, não consegui parar de pensar naquele estranho que jamais veria novamente. Afinal, quais eram as chances de encontrá-lo de novo em uma cidade com oito milhões de pessoas?
Se quiser saber onde seu coração está,
repare para onde sua mente vai quando vagueia.

Hello pessoas, tudo certinho?!?! Hoje vamos falar de mais um livro babadeiro da diva Vi Keeland. Isso mesmo, diva!! A mulher consegue envolver qualquer um com qualquer assunto clichê! E sabe porquê?? Porque ela te convence de tal forma que você quer e precisa viver naquela história. 

Aqui conhecemos Chase e Reese. Eles se conhecem por acaso em um restaurante, em uma situação bem inusitada, que acaba por garantir a ela uma noite mais animada do que a que estava se delineando sem a presença dele. Apesar de nunca terem se encontrado antes daquele dia, contaram uma história fictícia que convenceu a todos. E quase a eles mesmos. Isso foi o suficiente para que ela ficasse recordando o encontro inusitado.


"Sem vontade, entrei no carro [...]. Chase me observou com atenção. [...] Respirando fundo, fui embora com um último aceno, questionando por que eu sentia como se deixasse algo importante para trás."

Quando um tempo depois eles se encontram novamente em uma academia, fica claro que os encontros deles sempre serão inusitados. E é nesse encontro que Chase oferece a Reese uma ajuda para conseguir um emprego. O que ela não contava, é que acabaria nas indústrias Parker, onde Chase é o CEO. Pronto chegamos ao clichêzão, e aí isso dininui o brilho da história??? Óbvio que não. 

Chase não tem nenhuma tendência a sadomasoquismo como nos CEOs que nos acostumamos a ver por aí. Não! Ele é só um homem de fato interessado em Reese. Mas o passado dele faz com que ele seja cauteloso nas investidas, mas ela vai quebrando suas barreiras aos poucos e quando nos damos conta eles já estão interessadíssimos um no outro, mas como ela está trabalhando para ele, fica receosa em realmente investir na relação. 
"O Chase paquerador foi embora, dando lugar ao CEO Chase Parker, de quem eu gostei muito. Ele era tão inteligente e apaixonado que nem percebi que passamos mais de uma hora no laboratório de desenvolvimento de produtos, até que as pessoas começaram a chegar para o dia de trabalho."
Durante a leitura, vemos que ele se lembra muito do passado, muito de Peyton, que foi sua noiva e ficamos pensando em como isso pode ser importante para os dias atuais. Inclusive é o caso de se prestar muita atenção a esses capítulos, pois tem uma cena da Reese nos dias atuais que nos remete à Peyton e ficamos sem entender o que a autora está querendo construir com esse cenário.
"Eu costumava estar na metade da primeira bebida quando Peyton aparecia; ao começar a segunda, era tarde até mesmo para ela. Enviei uma mensagem."
Na hora que a bomba explode, até nós somos surpreendidas. Eu esperava várias situações, mas a autora soube construir um enredo interessante mesmo com um assunto tão batido. O passado de ambos é um fator determinante no prosseguir de suas relações e acaba por ser o fator determinante de todas as suas lutas.

Eu, como vocês já sabem, sou muito suspeita quando o assunto é Vi Keeland. Eu adoro as histórias dela, a construção dos personagens e, principalmente, o desenrolar dos assuntos. Esse é um dos livros com a capa mais linda, porque mesmo que, tenha um descamisado, existe uma cena ou característica que justifica o uso do modelo, e aqui não é diferente.
"Tanto quanto queria ficar, dizer a ele que não queria estar sozinha, pedir que ele ficasse comigo, eu sabia que precisava ir."
Então preparem-se para conhecer O Chefão, que apesar do título não tem nada de mafiso/criminoso ou afins.

Ficha Técnica:
Autor: Vi Keeland
Páginas: 300
Editora: Essência
Ano: 2018
Skoob: O Chefão

Até mais!

Nenhum comentário

Postar um comentário