Resenha: Amor & Gelato

25 julho 2018

Depois da morte da mãe, Lina fica com a missão de realizar um último pedido: ir até a Itália para conhecer o pai. Do dia para a noite, ela se vê na famosa paisagem da Toscana, morando em uma casa localizada no mesmo terreno de um cemitério memorial de soldados americanos da Segunda Guerra Mundial, com um homem que nunca tinha ouvido falar. Apesar das belezas arquitetônicas, da história da cidade e das comidas maravilhosas, o que Lina mais quer é ir embora correndo dali. Mas as coisas começam a mudar quando ela recebe um antigo diário da mãe. Nele, a menina embarca em uma misteriosa história de amor, que pode explicar suas próprias origens. No meio desse turbilhão de emoções, Lina ainda conhece Ren e Thomas, dois meninos lindos que vão mexer ainda mais com seu coração.Uma trajetória que fará Lina descobrir o amor, a si mesma e também aprender a lidar com a perda. Amor & Gelato é uma deliciosa viagem pelos mais românticos pontos turísticos italianos, com direito a tudo de mais intenso que o lugar tem a oferecer: desde paixões até corações partidos.

Em primeiro lugar, eu quero dizer que este livro é uma delícia! Talvez não tanto quanto seja um gelato, já que eu não sei o sabor, mas ele é maravilhoso! Sabe aqueles livros que você lê em uma tarde? Esse é desses!

O romance foi indicação da minha amiga Fabiély, do grupo de leitura Espresso das Três, do qual tenho a honra de fazer parte. Eu provavelmente o leria de qualquer forma, porque estava interessada, mas a sugestão dela foi o empurrãozinho que faltava. Muito obrigada! 

Então vamos a ele. A mãe de Lina faleceu de câncer no pâncreas, não muito tempo depois de a doença ser descoberta. Ah, Nanda, que triste, mas fatalidades acontecem. Só que Lina (Carolina, mas ela não gosta que a chamem assim) tem apenas 16 anos e a mãe era praticamente tudo na vida dela. A relação com a avó não é muito boa, eu presumo, porque a avó quase não aparece e Lina vai morar na casa da melhor amiga depois do falecimento da Hadley. Só que ela não fica muito tempo na casa da Addie, porque logo ela vai pra Itália, conforme o desejo da mãe, morar com o melhor amigo do início da vida adulta da falecida. 



Só que Howard é seu pai, segundo sua avó diz. Como é que Lina não soube dele até então? Sua mãe só começou a falar do amigo poucos meses antes de falecer, quando descobriu a doença. Tudo é muito estranho! E só piora, como você vai comprovar abaixo.

Lina, precisamos tirar você daí. Não é justo. Primeiro você perde a mãe, e agora tem que se mudar pro outro lado do mundo e morar com um cara que de repente diz ser seu pai? E a casa dele é num cemitério? Fala sério, isso já passou dos limites.

Como eu disse, só piora, ainda mais quando Sonia (amiga de Hadley e Howard da juventude) entrega a Lina um diário que Hadley mandou para a Itália ainda em vida. A filha não quer saber do que está escrito, porque é doloroso demais, claro, mas ela volta atrás porque quer sentir a proximidade de sua mãe e acredita que algumas respostas possam estar contidas naquelas páginas.

Porém, não vou desanimar vocês, já que o livro é muito fofo, apesar de algumas partes melancólicas serem inevitáveis. Na tarde do dia seguinte ao de sua chegada, Lina conhece o vizinho Ren, um garoto de 17 anos. O nome dele é Lorenzo e ele se torna bem próximo dela. É por Ren que a protagonista conhece outros jovens e tem uma vida social bem agitada, seja em festas ou conhecendo lugares em Florença e até Roma. Em uma dessas festas, ela se apaixona.

Thomas era alto e magro, com cabelo castanho-escuro e sobrancelhas grossas, e tinha aquela coisa do maxilar pronunciado da qual eu já ouvira falar, mas nunca tinha visto. E a boca. Praticamente acabou com qualquer chance que eu tinha de dizer alguma coisa.

Não, não pense que tudo será perfeito porque não será. Pelo menos não agora! Lina ainda tem muito a descobrir, e várias reviravoltas acontecerão. Vale demais a pena ler este livro para descobrimos juntos com Lina e Ren como é ser quase adulto na Itália! 

E se você pensa que nossos fofos protagonistas talvez possam se envolver, lembre-se de que Lina já tem problemas demais. Mas, sim, até porque está na sinopse. 

Corri o mais rápido que pude até o cemitério. Eu tinha muito em que pensar e não precisava complicar as coisas com uma paixonite idiota por um dos melhores amigos que eu já tivera. Além disso, ele namorava uma top model sueca com crises de agressividade. E não podemos esquecer que eu havia acabado de dar meu número para o cara mais bonito que já conheci.

Chega! A cada palavra que escrevo, quero escrever mais e mais, para convencer você a ler este livro fofinho e delicioso. Espero ter conseguido!

                                                           

Ficha técnica:
Autor: Jenna Evans Welch
Editora: Intrínseca
Ano: 2017
Páginas: 320

4 comentários

  1. Essa história é realmente uma gracinha; leve, divertido e com muito romance também, porém sem grandes cenas calientes . Amo essas histórias mais doces e os relacionamentos que começam com uma amizade; sempre aquecem o nosso coração. Gostei muito do enredo e me emocionou demais a relação pai e filha; achei super bonita a história. Vale mesmo muito a pena conferir essa história!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, eu também adoro histórias fofas, que começam com uma linda amizade. Por que será? kkkkkk obrigada pelo seu carinho de sempre, Fer!

      Excluir
  2. Que resenha mais linda!! Lê-la me trouxe a memória as mesmas sensações que tive enquanto fazia a leitura 😍😍amei a postagem!beeijos

    ResponderExcluir