Resenha: Iluminada Pela Paixão

10 agosto 2018
Mary Catharina Rothembourg, a filha de um ferreiro que morreu quando ela era criança, foi criada pela mãe e não recebeu nenhuma educação formal. Aos 15 anos, em Londres, ela conheceu Sir Harry Holland, que a contratou como anfitriã e animadora de festa de despedida de solteiro: o início da decadência da bela menina-moça, ignorante, pobre e sem ninguém por ela. Usada de todas as formas, ela passou de mão em mão, até ser despachada como amante de um velho correspondente inglês, em Nápoles, para que ela não atrapalhasse um ótimo casamento que o nobre amante falido faria em Londres. Enganada, na iminência de ficar cega, ela aceita se casar com o homem que a recebeu em sua casa. O duque de Grafton tinha um passado tão sujo quanto o dos amantes de Mary Catharina e, em visita a Nápoles, conheceu a dama já completamente cega e quis o destino que, de alguma forma, ele expiasse seus pecados.

Imagine que você está andando tranquilamente pela cidade, quando a visão foge completamente de seus olhos. Terrível só de imaginar, não é mesmo? Pois foi assim que Mary ficou cega. Ela acreditava que a cegueira veio como um castigo, por conta de sua vida pregressa nada aceitável pela sociedade. Foi amante de alguns homens e dançava nua em cima de mesas, animando festas para "cavalheiros".

Mary passava seus dias em casa, com duas acompanhantes, que a ajudavam nas tarefas e principalmente para disfarçar, dando dicas do que fazer em cada situação. Seu marido era um bruto e ela sabia que se sir Horace descobrisse sua cegueira, ela seria colocada para fora, sem nada. Numa noite em que receberam convidados, Mary deveria cumprimentá-los. Um deles, o duque de Grafton, foi extremamente gentil com ela.

Queria o acaso que eles se apaixonassem. Não vou entrar em detalhes porque você vai conhecê-los no livro, mas as circunstâncias favoreceram o romance dos dois. Acontece que Mary era cega e seu passado não permitia que ela se casasse com um duque, especialmente com uma mãe e uma tia como ele tem.



Entretanto, Graham Gordon era um homem teimoso, que não desistia. Assim que recebeu um pedido de ajuda, partiu para Nápoles, onde Mary até então morava, e a trouxe para a Inglaterra, mais especificamente para o Convento das Freiras Brancas (Whitenuns). A escolha foi para abrigar seu amor longe dos olhos da sociedade, e também porque ela receberia cuidados para seus olhos. 

Desde que cheguei ao Whitenuns, trazida pelo duque de Grafton, eu tinha medo de ter esperança. Esperança é como um bicho malvado, vai incentivando a mente da gente, criando expectativas, e bum, a queda. Há tempos eu havia decidido parar de ter esperança. Mas o que era isso que eu sentia? A culpa era dele, de Graham Gordon. Sim, por amá-lo eu sonhava em um dia ver o seu rosto. Não que eu não o visse. Eu o enxergava com a mente.

O romance de Graham e Mary não será nada fácil. Eles passarão por vários momentos de dificuldade, muitos mesmo, que porão seu amor à prova. Como será que tudo irá se resolver?

Este é o segundo romance da série Vilas do Sul. No primeiro, conhecemos Sam e Rosamunde, e eles moram próximo a Euston Hall, residência dos Gordon. Portanto, você também acompanhará a vida dos protagonistas anteriores, já que em algum momento suas histórias se entrelaçarão. É incrível como em meios a seus vários problemas, os personagens (todos)  conseguem tempo e disposição para ajudar os outros em suas dificuldades. Aí surgirão protagonistas dos volumes seguintes. 

Por enquanto a série só possui os dois volumes, mas outros estão em produção (espero que para breve). Torço infinitamente para isso porque desejo saber o destino de Mia, acompanhante de Mary, que pode ter tido um trágico fim. 

Iluminada Pela Paixão é aquele livro doce, que mostra que o bem sempre vence, por mais que o mal insista. Fácil de ler em uma tarde chuvosa, acompanhado por uma bela caneca de chá. 

                                                  

Ficha técnica: 
Autor: Chirlei Wandekoken
Editora: Pedrazul 
Ano: 2018
Páginas: 240

Nenhum comentário

Postar um comentário