Resenha: Os Números do Amor

28 agosto 2018
Sinopse: Um romance que prova que o amor muitas vezes supera a lógica.
Já passou da hora de Stella se casar e constituir família — pelo menos é isso que sua mãe acha. Mas se relacionar com o sexo oposto não é nada fácil para ela: talentosa e bem-sucedida, a econometrista é portadora de Asperger, um transtorno do espectro autista caracterizado por dificuldades nas relações sociais. Se para ela a análise de dados é uma tarefa simples, lidar com os embaraços que uma interação cara a cara podem trazer parece uma missão impossível. Diante desse impasse, Stella bola um plano bem inusitado: contratar um acompanhante para ensiná-la a ser uma boa namorada.
Enfrentando uma pilha cada vez maior de contas, Michael Phan usa seu charme e sua aparência para conseguir um dinheiro extra. O acompanhante de luxo tem uma regra que segue à risca: nada de clientes reincidentes. Mas ele se rende à tentação de quebrá-la quando Stella entra em sua vida com uma proposta nada convencional.
Quanto mais tempo passam juntos, mais Michael se encanta com a mente brilhante de Stella. E ela, pela primeira vez, vai se sentir impelida a sair de sua zona de conforto para descobrir a equação do amor.
Hello pessoas, tudo certinho?!?! Hoje eu venho falar de um livro simplesmente encantador e cheio de significados e representatividade. Um livro tão necessário que nem sei como falar dele sem ser piegas.

Os Números do Amor nos apresenta Stella Lane, uma econometrista extremamente bem sucedida profissionalmente, que não tem como ela não ser feliz e realizada. Não fosse o fato que as interações sociais não são o seu forte, e seus pais acham que aos 30 anos já está no momento, quiçá tenha passado, de ela se estabelecer em sua vida pessoal, também. 
"Existem bilhões de pessoas no mundo, e o amor não pode ser uma coisa forçada."
Só que Stella não consegue interagir, seu jeito de ser incomoda as pessoas, sua necessidade de não manter contato físico deixa as pessoas desconfortáveis. Mas quando ela está em seu trabalho, cuidando dos números e das estatísticas dos sites de seus clientes ela se sente perfeitamente realizada. Ela esperava que sua condição não fosse determinante para o sucesso ou não de sua vida, mas ela sabe que sendo portadora de Asperger, interagir socialmente é um desafio que ela precisa vencer, de alguma forma.
" [...] ela queria deixar sua mãe orgulhosa e contente. Não importava o que fizesse, nunca conseguia parecer bem-sucedida aos olhos dela e, em consequência, aos seus próprios olhos."
Michael, é quase um sósia de Daniel Henney, e para mim não precisava ter nenhuma outra descrição dele no livro, isso é o suficiente pra eu saber que ele é lindo. Não sabe quem é?!?! Dá um google e seja feliz. Porém sua vida não está fácil. Como ele precisa de uma grana, ou melhor, muita grana extra, ele começa a trabalhar como acompanhante de luxo e é aí que os caminhos dos personagens se cruzam.

Gente, eu poderia discorrer sobre vários aspectos do romance, eu já indiquei esse livro para um monte de gente, minha filha já manda a seguinte frase: "mãe você já disse isso". Mas nos dias de hoje, em pleno século XXI ser diferente ainda é fato preponderante para exclusão. Se você não se encaixa na normatividade, você é logo descartado. E é exatamente isso que a autora nos mostra aqui. Apesar de todo sucesso profissional de Stella, por ela não se encaixar no esperado pela sociedade, ela é excluída. 

A relação desses dois vai sendo construída de uma forma linda, o desabrochar de Stella para se sentir a vontade e feliz interagindo com outra pessoa é de nos fazer suspirar tanto quanto ela. Passei toda a leitura sorrindo e ansiando para que ela se aceitasse e que conseguisse entender que ela deveria ser feliz do jeitinho que ela é. 
"O amor era uma prisão. Uma coisa que enjaulava e cortava suas asas. Empurrava a pessoa para baixo, forçava-a ir a lugares onde não queria estar."
Numa mistura cultural intensa, com temas atuais sendo abordados e preconceitos latentes, Os Números do Amor veio para arrebatar nossos corações e nos fazer enxergar além das convenções sociais. Uma das histórias mais lindas que li neste 2018, sem sombras de dúvidas.
"Quando você ama uma pessoa, precisa lutar por ela de todas as formas."

Ficha Técnica:
Autor: Helen Hoang
Páginas: 280
Editora: Paralela
Ano: 2018

Até mais!




Nenhum comentário

Postar um comentário