Resenha: A irmã da lua

06 dezembro 2018
Quinto volume da série As Sete Irmãs. Lucinda Riley já vendeu mais de 15 milhões de livros no mundo. Em A Irmã da Lua, quinto volume da série As Sete Irmãs, duas jovens separadas por um século têm suas vidas entrelaçadas numa emocionante história sobre fé, tradição, paixão e sobrevivência. Entre as filhas adotivas de Pa Salt, Tiggy D’Aplièse é conhecida como a instintiva e sensível. Envolvida em sua carreira na proteção de animais selvagens, ela não sabe se está preparada para seguir as pistas de suas origens, deixadas pelo pai. Ao aceitar um novo emprego nas belíssimas Terras Altas escocesas, Tiggy fica apaixonada pela remota propriedade, administrada pelo enigmático Charlie Kinnaird. O belo cirurgião cardíaco acabou de herdá-la e enfrenta problemas para reerguê-la e transformá-la em um santuário para as espécies nativas. Em seu novo lar, Tiggy encontra o velho cigano Chilly, que altera totalmente seu destino. Ele conta que ela não só possui um sexto sentido, proveniente dos ancestrais, como há tempos foi previsto que ele a levaria até suas origens na Espanha, nas montanhas sagradas de Sacromonte, à sombra da magnífica Alhambra. Escrito com a notável habilidade de Lucinda para entrelaçar enredos emocionantes e nos transportar para épocas e lugares distantes, A irmã da lua é uma brilhante continuação para a aclamada série das Sete Irmãs, e uma leitura saborosa e reveladora.

Quem me conhece sabe que Lucinda está entre minhas autoras favoritas e que eu adoro a coleção As Sete Irmãs. Portanto, estava ansiosa para conhecer a história de Tiggy. Eu adorei cada uma das irmãs D'Aplièse, e Taígeta não foi diferente. Ainda acredito que sou mais parecida com Estrela, mas todas elas me fazem pensar, em algum momento: nisso nós somos parecidas. Acho que somos assim com a maioria das pessoas, pelo menos em alguma coisa! 


Ao contrário das outras filhas adotivas, Pa deixou bem claro para onde a garota deveria ir, na carta que ele escreveu para elas lerem após a sua morte. 

Então, agora cumpro a promessa que fiz, relevando que, em algum momento em sua vida, você deve viajar para a Espanha, para uma cidade chamada Granada. Em uma colina, em frente à magnífica Alhambra, em uma área chamada Sacromonte, você deve bater em uma porta azul situada em uma estreita passagem chamada Cortijo del Aire e perguntar por Angelina. Lá você vai encontrar a verdade sobre sua família biológica. E talvez também seu próprio destino.

Fácil, não é mesmo? As outras irmãs não receberam a sua origem assim, de bandeja, mas com Tiggy foi diferente. Ela não somente soube o país, como a cidade e até a casa que ela deveria procurar. Mas você acha que ela saiu de Genebra, após a morte do pai, direto para a Espanha? Que nada, Tiggy foi para o fim de mundo, para uma propriedade na Escócia, para cuidar de gatos selvagens. Ela ama os animais, possui formação na área e os prefere aos humanos, mas arrisca sua vida por causa de um veado branco.

Todavia, nem tudo está perdido. Lá na propriedade Kinnard, Tiggy conhece um cigano muito velho, chamado Chilly, e ele não  somente conheceu a avó de Taígeta como conviveu com ela por alguns anos. Então, ele a guiará de volta para sua casa, com deliciosas lembranças do passado, como somente Lucinda consegue fazer.


Um acontecimento grave faz com que Tiggy viaje, finalmente, para a Espanha, onde ela conhecerá seus parentes e descobrirá mais sobre a família Albaycín: sobre uma primeiramente muito apática Maria, seus filhos que, em sua maioria, lhe dão muito trabalho, seu marido que não quer saber de trabalhar, e de uma mocinha sonhadora chamada Lucía, que sonha em ser uma famosa dançarina de flamenco, dom que ela tem como ninguém.

Viaje com nossos personagens para a Espanha e conheça a linda história de Tiggy. Eu adorei, como sempre, mas estou ficando com um aperto no coração porque agora só falta, aparentemente, a história de Electra, apesar de acreditar que haverá mais um livro para contar sobre a irmã que nunca apareceu, a sétima. Também acho que teremos emoções e elucidações sobre a morte de Pa Salt, pai adotivo das irmãs, mas por enquanto só nos resta aguardar.

Ficha técnica:
Autor: Lucinda Riley
Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Páginas: 592

Nenhum comentário

Postar um comentário