Resenha: Querido Vizinho

02 março 2019
Sinopse: Depois de tomar um pé na bunda, a última coisa que eu precisava era me tornar vizinha de alguém que me lembrasse do meu ex-namorado, Elec. Damien era uma versão mais sexy do meu ex. O vizinho que eu chamei de “artista irritado” também tinha dois cachorros enormes que me mantinham acordada com seus latidos. Ele não queria nada comigo. Ou era o que eu pensava até que uma noite eu ouvi risadas vindo através de um aparente buraco na parede do meu quarto. Damien estava ouvindo todas as minhas sessões de telefone com o meu terapeuta. 
O artista sexy agora conhecia todos os meus segredos mais profundos e inseguranças. Nós começamos a conversar. Ele me deu dicas para superar meu rompimento. Tornou-se um bom amigo, mas deixou claro que não poderia ser nada mais. O problema era que eu estava me apaixonando por ele. E por mais que ele me afastasse, eu sabia que ele sentia algo por mim... porque seu batimento cardíaco não mentia. Eu pensei que meu coração havia sido destruído por Elec, mas estava vivo e batendo mais forte do que nunca por Damien. Eu só esperava que ele não o destruísse para sempre.
Hello pessoas, tudo certinho?!?! Vamos de Penelope Ward?!?! Vamos!!!!! Hoje falaremos de um dos livros que mais gosto e ao mesmo tempo desgosto. Quer entender o motivo, então venha comigo conhecer um pouco mais sobre Querido Vizinho.

Chelsea foi trocada por outra, e até o presente momento, ela ainda não entendeu como isso aconteceu. Eles se amavam. Até que ele deixou de amá-la. E agora ela precisa aprender a viver sem ele. O primeiro passo foi sair do antigo apartamento, assim que possível, mas junto com isso veio um vizinho extremamente temperamental e grosseiro que possui uns cachorros muito barulhentos que não ajudam na insônia dela. 

“Eu não sabia como me recuperar dessa dor ou como voltaria a acreditar no amor. Porque eu realmente acreditei que ele me amava. Acreditei que o amor era indestrutível. Estava errada.”
Esse é um dos livros onde a veia cômica da Penelope está mais ativa, Damien é engraçado demais e cativante o que compensa a chatice da Chelsea. Sério gente, entre Greta e ela, Elec fez a escolha certa. Mas apesar de chata, ela é boa na essência, ela é aquela personagem que você se esforça para não gostar, mas é impossível. E olha que para eu não gostar de uma personagem é muito fácil, eu sou profissional(e chata rsrsrs). A verdade é que, ela precisa encontrar respostas, que talvez não existam, para justificar o término de seu relacionamento. E às vezes, a única resposta é que não era para ser!
“Aprendi na aula de psicologia na faculdade: a supressão geralmente leva à obsessão.”
Mas então, eis que um dia, durante sua sessão de terapia via telefone, ela descobre que Damien tem ouvido suas sessões e o que poderia iniciar uma guerra, acaba por iniciar uma amizade. Meio torta, é verdade, mas ainda assim uma amizade bem legal. Mas ela tem um coração muito mole e acaba por se encantar por cada gesto bonito, por cada ajuda e pelo amor dele pelos dois “Ds”. Agora você quer saber do quem se trata né?!? Os dois cachorros, Drewfus e Dudley, os dois Rottweilers. Sim, os dois cachorros são grandes e eu com certeza teria pavor deles, mas ela se apaixonou por eles e vice versa.

Obviamente que essa proximidade tem um preço né, e eles acabam por se aproximar mais e mais, até o dia que os segredos que ele guarda vêm cobrar seu preço. Ela optou por se afastar dele quando ele decidiu que não poderia ser mais que amigo dela, mas aí ela descobre o motivo de forma inesperada e agora ele não tem mais para onde correr, se o que o impedia não existe mais. Porém eles iniciarem ou não uma relação não é toda a questão. Aqui o caso é se ele quer lutar por isso e por um futuro, mesmo que não seja com ela.
“Eu sabia que Damien e eu provavelmente teríamos tempos difíceis pela frente, mas esta noite, neste momento em que éramos alheios a tudo, menos um ao outro, era perfeita.”
Com uma história que tinha tudo para ser maçante e desconfortável, a autora nos faz não conseguir parar de virar as páginas, e nos faz amar Damien, tanto, ou mais que, Elec, e consegue, de alguma forma, transformar a chatice de Chelsea em pura empatia por ela, juro é bizarro como no início queremos tirá-la da história, e perto do fim queremos ser amiga dela rsrsrs. Inclusive destaco para todos que vão ler, foco na troca de e-mails entre os rapazes no final do livro.

“Não importa quanto tudo isso é assustador, tenho que colocar tudo nas mãos Dele neste momento e agradecer por me abençoar com todas as coisas que eu achava que não poderia ter.”
Para mim, um livro sem sombra de dúvidas, merecedor de cinco notas musicais.

Ficha técnica:
Autor: Penelope Ward
Editora: Essência
Ano: 2018
Páginas: 304






Nenhum comentário

Postar um comentário