Resenha: Daisy Jones & The Six

24 junho 2019
Sinopse: Todo mundo conhece Daisy Jones & The Six. Nos anos setenta, dominavam as paradas de sucesso, faziam shows para plateias lotadas e conquistavam milhões de fãs. Eram a voz de uma geração, e Daisy, a inspiração de toda garota descolada. Mas no dia 12 de julho de 1979, no último show da turnê Aurora, eles se separaram. E ninguém nunca soube por quê. Até agora. Esta é história de uma menina de Los Angeles que sonhava em ser uma estrela do rock e de uma banda que também almejava seu lugar ao sol. E de tudo o que aconteceu ― o sexo, as drogas, os conflitos e os dramas ― quando um produtor apostou (certo!) que juntos poderiam se tornar lendas da música. Neste romance inesquecível narrado a partir de entrevistas, Taylor Jenkins Reid reconstitui a trajetória de uma banda fictícia com a intensidade presente nos melhores backstages do rock’n’roll.
Hello pessoas, hoje a resenha é empolgadíssima e com muita alegria e emoção. Primeiro preciso esclarecer que, mesmo recebendo a newsletter da Paralela, eu só comprei por causa do Pin que vinha de brinde, com isso esclarecido, prossigamos.

"Quando ela cantava, a voz vinha lá das entranhas. As pessoas demoram anos para aprender isso, e para Daisy era uma coisa natural."
Daisy Jones & The Six conta a história dessa banda de muito sucesso na década de 70, que se originou da banda originalmente, Dunne Brothers e que mais tarde se tornou The Six. Daisy se encontrou com eles no caminho, e eles se tornaram um fenômeno fonográfico. Anotaram tudo?? Agora preparem-se para mergulhar na vida e na banda, num documentário extremamente empolgante, feito pela filha de um dos integrantes da banda.

"Sua vida se define por quem segura a sua mão. Ou pela mão de quem você decide segurar."
E agora nesse momento eu quero que você que me acompanha e sabe o quanto eu amo uma boa história e boa música, quando me vi diante de tantos relatos emocionais, crus, críveis e descubro que é tudo ficcional. Descubro não, constato! Na Newsletter a Paralela deixa claro que a obra é 100% ficcional, mas é impossível acreditar nisso. Não quando mergulhamos nesse mundo criado pela autora.
"Porque eu tocaria para quem não curte guitarra?Se você quiser fazer sucesso, precisa tocar para todo mundo."
O nível de realismo é tanto, que quando estamos lendo a vontade de ir atrás dessas no Google é quase incontrolável. E ir atrás do álbum no Spotify??? Gente é consumidor. Pensamos vou ler uma pagina aqui rapidinho, e quando você se dá conta já foram 20, 30, metade do livro e você ali imersa querendo saber o que houve. É não só uma obra de esclarecimento sobre relações coletivas, mas também uma obra reflexiva sobre o amor. O amor pela música, pela vida, pelo outro e o principal, por você mesmo.
"Fazia tanto tempo que não via a gente que não reconheceu ninguém. Nem pelo rosto, nem pela voz, nada."
Preparem-se para serem consumidos por essa banda, suas historias recheadas de tudo o que o dinheiro, a liberdade desenfreada e os bastidores do Rock and Roll tem a oferecer. Apesar do título ser Daisy Jones, apesar dela ser de fato a personagem principal, cintando sua história se vida e sua história na música, a personagem que é o divisor de águas nessa história, vai chegando devagar, quase como se fosse um incômodo em suas vidas e na história da banda.

"Ela nasceu com todo o dinheiro do mundo, com acesso a qualquer coisa que quisesse - artistas, drogas, casas noturnas -, tudo estava ao seu dispor. [...] Mas na verdade ela era uma criança muito sociável e extrovertida. [...] Só que não tinha ninguém na vida dela interessado em saber quem Daisy era de fato, muito menos seus pais."

Abra seus olhos e coração e apreciem essa que é uma verdadeira obra de arte em forma de história. A Paralela está realmente de parabéns.
"Saber que tem uma pessoa no mundo que faria qualquer coisa por você e por quem você faria qualquer coisa, isso traz paz para gente."

Cinco Notas mais que merecidas!!!
Ficha técnica:
Autor: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Ano: 2019
Páginas: 360

Até mais!

Nenhum comentário

Postar um comentário