Resenha: Lágrimas de Outono

20 junho 2019
Isabel vivia uma infância feliz e cercada de carinho da família. Muito apegada à sua mãe Elisa, que a ensinou a amar as flores e a cultivar o mesmo apreço que tinha pelo jardim da casa onde ambas nasceram. A menina cresceu apaixonada pelas flores, árvores e o encanto presente naquele lugar, que era a representação do amor que uniam mãe e filha. No entanto Bel precisou aprender a lidar com perdas desde muito nova, vivendo momentos difíceis para uma criança. Depois de perder a mãe e também alguns anos da infância a menininha cresce e torna-se uma jovem insegura e temerosa em ter mais perdas e sofrimento em sua vida. Ela conhece Joaquim e juntos traçam uma história de amor e superação, com mais algumas perdas, dificuldades, lições e recomeços. Isabel precisará passar por um caminho de provações que a levará a aprender a confiar nos planos de Deus, trilhando um caminho de aprendizado, compreendendo as etapas da vida, para assim, entender que os laços de amor são muito fortes e nos acompanham eternamente.

Sou parceira literária da autora Amanda Bonatti, e como tal, e também por adorar seus romances, quis ler tudo que ela publica. Contudo, quase não consegui completar o objetivo quando soube que Lágrimas de Outono é um romance espírita. Afinal, tenho muito medo de tudo que se refere ao sobrenatural, à vida após a morte, então cheguei a excluir o livro do meu leitor digital, porque não leria. 

Acontece que Amanda, com seu jeitinho meigo e por leve pressão ao dizer que adoraria ler uma resenha minha sobre o livro em questão, me convenceu. E eu não me arrependo. As partes espíritas são mínimas, e tudo acontece com muita sutileza, como prova de amor, então digo, como medrosa de carteirinha, que você pode ler tranquilamente, pois eu li e não abandonei a leitura, nem fiquei com medo excessivo (só um pouquinho) kkkkk.



Isabel tinha uma relação muito próxima com sua mãe, Elisa, por ser a filha caçula e ficar em casa o dia todo, enquanto os irmãos iam à escola ou foram estudar ou trabalhar na Capital (a história se passa na nossa Bela e Santa Catarina, primeiro em Rio do Sul (onde minha avó foi criada, coincidentemente) e depois em Florianópolis, cidade da qual guardo excelentes lembranças. 

Só que nossa protagonista não contava que uma terrível tragédia fosse abalar sua idílica vida: antes dos dez anos, ela perderá sua mãe e mais alguém importante, e terá de tomar uma decisão fundamental, que a afastará de sua família imediata e de tudo que ela mais ama. 

Como resignar-se diante de uma morte prematura? Como aceitar que uma flor vá embora com suas pétalas ainda intactas? Como conformar-se que uma vida termine em plena beleza e integridade? Como respirar, se a alegria me foi arrancada, como uma planta que se retira até a raiz do solo? Eu só desejava ser como uma folha de outono e, assim, talvez eu não sobrevivesse à próxima estação...

É bastante sofrimento para uma personagem tão querida, tão nova, mas ela é mais forte do que pensa. Afinal, nem tudo nesta vida são flores, mas nem tudo são espinhos também, e após dez anos, a vida de Isabel tende a melhorar. Tende, porque vai demorar bastante para isto acontecer.

- Então, você passa por lá todos os dias? É seu trajeto para casa... ou para o trabalho? - perguntei, confiante que a resposta seria positiva. - Não, é só o trajeto que eu faço para te ver - falou como se fosse a coisa mais natural do mundo. 

Após conhecer Joaquim, uma vida nova parece florir para nossa querida e sofredora Bel. Juntos, eles passarão por diversos desafios, e a fé em Deus precisará ser inabalável para ultrapassarem as dificuldades. Afinal, mais perdas acontecerão na vida de nossa protagonista, das grandes, e um mistério pode abalar sua fé em Joaquim. Ela precisará, inclusive, talvez fazer uma escolha importante, que poderá afastá-la de sua família. 

Não pude deixar de reparar que era outono,  estação que sempre vinha para arrancar algo precioso de minha vida. 

Leia Lágrimas de Outono para saber como Amanda resolveu tudo isso, e como os enleios de nossa vida são mínimos, quando aprendemos a confiar em Deus e em Suas atitudes. Mais um livro lindo da querida autora, que recomendo muito. 

Até então, só havia lido seus romances de época, mas agora indico também seu romance contemporâneo, que será lançado na próxima Bienal do Livro, em 31 de agosto, com nova capa, por nova editora, com capítulo extra. 

Ficha técnica:
Autor: Amanda Bonatti
Editora: Coerência
Ano: 2019
Páginas: 300

8 comentários

  1. Oi Fê! Que bom que venceu seu medo de romances espíritas e que deu certo a leitura. Quantas perdas na vida da personagem, meu Deus! Também quero ler pra tirar minhas conclusões mas acho que também gostarei da leitura. Beijos. Karla Samira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os livros da Amanda são muito envolventes, não dá para perder rsrs.

      Excluir
  2. Oi Fê, o gênero espírita amo e eu já tenho medo do gênero de terror, que bom que venceu o medo de ler o livro e trouxe está resenha maravilhosa e está de parabéns. Abraços

    ResponderExcluir
  3. Terror eu não chego nem perto kkkk muito obrigada pelo carinho. Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Que resenha linda, fiquei muito feliz com suas conclusões e por ter vencido seu receio em relação ao gênero. Sempre vejo lágrimas de outono como uma história muito sutil que fala sobre amor e fé, e foi isso que você me passou com sua resenha, AMEI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanda, obrigada por nos proporcionar uma linda história. O amor sempre vence!

      Excluir
  5. Esse livro é lindo demais! Amo a história de Isabel, tão linda, doce, sensível e tocante. Amei a resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resumiu muito bem, Giuliana! Obrigada pelo seu comentário!

      Excluir