Resenha: Lírio Vermelho

05 setembro 2019
A trilogia começa com a morte repentina do marido de Stella Rothchild e sua mudança, com os dois filhos, para a misteriosa Harper House, em Memphis. Na casa, moram Roz Harper, severa dona do viveiro de plantas, e também a assombração da Noiva Harper. Lá, Stella fica amiga de Hayley Phillips. No segundo volume, as mulheres se unem ao Dr. Mitchell Carnegie para descobrir os ancestrais da família Harper. E, conforme o mistério por trás da identidade da Noiva começa a se desfazer, Roz percebe que está apaixonada pelo médico. Em Lírio Vermelho, a história está centrada, principalmente, em Hayley e sua filha, Lily. A vida das duas segue tranquila, até o dia em que a mãe se percebe atraída pelo filho de Roz. Por não achar tal sentimento correto, acredita que a Noiva Harper encontrou um modo de possuir sua mente e seu corpo. Será loucura da protagonista ou mais uma armadilha do fantasma?
Adorei a sinopse! Funcionou como um resumo bastante sucinto dos outros livros, para fechar com chave de ouro com a linda história de Hayley e Harper (a semelhança entre os nomes dos dois me fez, várias vezes, ficar confusa sobre de quem Nora estava falando rsrs). 

Já no primeiro livro, nas primeiras menções a Hayley, percebemos que Harper está de olho na prima distante de sua mãe. Com o passar do tempo a atração entre os dois aumenta e chega ao ápice no terceiro livro, quando a garota decide ousar e ir atrás do filho de sua chefe. É o desfecho perfeito, afinal assim Harper não se distanciará de sua mãe, dará muito amor a Hayley, que merece demais, e será um excelente pai a Lily. 

Imaginou que um dia teria um jardim, imaginou Lily a brincar nele. Com um cachorrinho, decidiu. Devia haver um cachorrinho gorducho, fofinho e brincalhão. Se pudesse ter tudo isso, não podia acrescentar um homem? Alguém que as amasse, a ela e a Lily, um homem divertido e inteligente, que fizesse seu coração bater mais depressa quando olhasse para ela? 

Tudo seria muito lindo e romântico se não fosse Amélia, o fantasma cada vez mais presente na Harper House. Hoje sabemos que a mulher não foi e não chegou nem perto de ser uma Noiva Harper, contudo o motivo de ela assombrar a mansão ainda é um mistério. Acredita-se que Amélia morreu lá, mas até então ninguém sabe como a ex-amante de Reginald Harper chegou à residência, já que naquele tempo ele era casado e toda a sua família morava lá.

As pesquisas de Mitchell ajudarão bastante nas descobertas, mas a peça-chave pode estar na mão da família Harper, contudo em alguém que está longe de querer ajudar Roz. Antigas rixas de família adiarão a descoberta, e Amélia está cada vez mais forte. Agora, além de atormentar os protagonistas em sonhos, ela conseguiu tomar posse de corpos, e Hayley sofre muito com isto. 

Hayley, não era você quem estava dizendo isso. Até a voz parecia diferente - disse Mitch. Um tom diferente, por dizer assim. E o sotaque era tipicamente de Memphis. Nem um vestígio do Arkansas. E os seus olhos, não sei como descrevê-los exatamente... Era mais velhos, mais frios. 

Como eu já havia citado nas outras resenhas, esperava que a parte do fantasma fosse mais sutil, como aconteceu na trilogia A Pousada, e confesso que fiquei impressionada com o que li (aquele medinho de ficar sozinha, sabe?). Contudo, li tudo e recomendo muito a série porque as histórias são lindas e é muito gostoso acompanhar os finais felizes, depois de tanta luta.

E se você espera um final feliz também para Amélia, talvez você o tenha no desfecho de Lírio Vermelho. As descobertas todas ficarão para as últimas páginas, trazendo esperança de que tudo terminou e de que dias melhores virão para os moradores e agregados da Harper House. 

De mãos dadas, viraram as costas à morte e dirigiram-se ao amor e à vida. Na Harper House, os corredores largos e as salas graciosas estavam silenciosos, cheios de sol, cheios de memórias. Cheios do passado, abertos ao amanhã. Ninguém cantava. Mas os jardins floriam. 

Ficha técnica:
Autor: Nora Roberts
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2013
Páginas: 336

Com esta resenha me despeço em definitivo da Trilogia das Flores, que começou com Dália Azul, passou por Rosa Negra e fechou com Lírio Vermelho. Voltarei na semana que vem com mais! 

4 comentários

  1. Ah, que bom que você curtiu a trlogia. Nora é Nora, acho ela campeã nessas séries de família. Essa série tem realmente uma pegada maior na questao sobrenatural, achei bem forte, especialmente esse último. Mas explicou bem toda a história em torno do fantasma, fechando as pontas soltas. O segundo livro continua sendo meu favorito da série, pois a Roz é uma personagem forte e muito carismática .Gostei demais de ter conhecido essa série!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei mais do primeiro, mas o terceiro casal foi o que mais me encantou. Único ponto "negativo" foi a questão da Amélia, mas as pontas soltas foram muito bem fechadas, como você falou, e é uma baita série. Nora e livros familiares são tudo de bom!

      Excluir
  2. Oi Fê! Tenho essa trilogia mas ainda não iniciei a leitura! Fico feliz em saber que o terceiro livro a fecha com chave de ouro, adorei o romance nele contido e as questões desse "fantasma" que assombra a todos. Sobre os nomes dos personagens, são bem parecidos e acho que eu também os confundiria. Beijos! Karla Samira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se eu fosse você, leia logo, é uma série excelente. Beijos.

      Excluir