Resenha II: Enquanto Houver Tempo

12 dezembro 2019
“Dizem que a vida inteira passa diante dos seus olhos quando você está morrendo. Porém, o que não dizem, é que a vida que não viveu também te atinge em cheio nesse momento. Dor... Medo... Arrependimento...” Dante, um respeitável homem de negócios, é obrigado a dar uma pausa no ritmo frenético no qual vive. Por sugestão da irmã, viaja para um lugar com hábitos totalmente diferentes aos quais está acostumado. E quando o tédio e desânimo parecem abater esse workaholic, uma pessoa o fará repensar o modo de enxergar a vida. Gaia vive para a terra, para o cultivo das maçãs e para os seus animais de estimação. Com a filosofia de viver cada dia como se fosse um novo presente da vida, essa mulher de expressão serena desperta o interesse no homem refinado, porém deslocado, que chega à região. De repente, ambos parecem se completar. Enquanto houver tempo, é possível mudar o rumo de duas vidas?

Conheci Paola pessoalmente em outubro, quando nos encontramos para um almoço em Curitiba. Conversamos sobre seus livros e eu fui sincera ao dizer que não curto gênero hot. Assim, ela me disse: então leia Enquanto Houver Tempo. Você vai gostar! Se a autora me diz isso, quem sou eu para não obedecer? (risos). E Paola estava certíssima. 

O livro se passa na serra catarinense, no meu amado Estado. Eu moro no Norte, próximo ao litoral, e fui à serra em julho, bem no meio do inverno, coincidentemente, por muita sorte, no final de semana mais frio do ano. Amei cada minuto que passei em São Joaquim, Urubici e na Serra do Rio do Rastro, e foi com muita nostalgia que recordei tudo isso em Enquanto Houver Tempo, inclusive uma lanchonete anexa ao posto de gasolina onde compramos guloseimas. 

Enfim, é tudo muito belo e apaixonante, e tenho certeza de duas coisas: além de querer comer maçãs desesperadamente, você também vai querer conhecer a serra catarinense. Vamos à história?

Dante está morrendo, tendo um infarto. Ele não tem tempo para nada, nem mesmo para a família, e momentos de lazer são um luxo desnecessário. Ele vive para o trabalho. Porém, ao sobreviver ao ataque cardíaco, recebe a notícia de que precisará tirar férias, além de alguns dias de repouso absoluto.

Sua irmã Pollyana, querendo ajudar, indica a ele um resort na Serra do Rio do Rastro, mais especificamente na cidade de Bom Jardim da Serra, onde ele poderá curtir seu merecido descanso. Dante aceita com relutância, e no começo nada o agrada, já que é um hotel no meio do nada, onde ele só vê verde por todos os lados, e está um frio de rachar. Até que um pequeno acidente o coloca frente a frente com Gaia, uma moradora de Urubici, a moça que fornece as maçãs para o resort.

Como já é de se esperar, Dante e Gaia formam uma amizade improvável. Contudo, com o passar dos dias, os dois querem estar cada vez mais juntos, e arrumam desculpas para se verem. Não querem olhar o relógio, que indica que o tempo de Dante está acabando, quando a amizade vira paixão. Porém, mesmo sem que queiram, chega o dia dele ir embora. 


- Não dá para negar o poder do dinheiro, não é mesmo? Olhe só para isso. - Indicou discretamente ao redor. - É verdade. - Segui seu olhar. - Há um mês eu afirmaria que ele compra tudo. Quer dizer, ele ainda continua comprando muita coisa. Mas, algumas, que antes eu não dava muito valor e hoje se tornaram relevantes, devo dizer que não há dinheiro que pague. 

Então fica a pergunta: como farão para ficar juntos, se Dante mora em São Paulo e Gaia em Urubici? Ela não quer ir para a capital paulista, pois tem uma vida na serra, e ele não quer largar tudo na metrópole para se mudar para a área rural de uma cidade pequena. Parece improvável continuarem formando um casal.

Enquanto Houver Tempo é uma linda história de recomeços, de curar traumas e mágoas, de curar feridas do passado. É uma história apaixonante, mas angustiante do meio para o final, tanto pelo afastamento de Dante e retorno a São Paulo quanto por uma doença por vezes silenciosa, mas que pode ser fatal para um de nossos queridos personagens. 


- Nós vamos passar por isso. E vamos vencer, ok? - Fechei os olhos e pedi. - Desculpe soar egoísta, mas não se entregue, amor meu. 

Leia, se emocione e se apaixone por Dante, Gaia, e pela linda serra catarinense. Já fiquei com vontade de retornar para lá. Chega, inverno!


Ficha técnica:
Autor: Paola Scott
Editora: The Gift Box
Ano: 2018
Páginas: 295


Nenhum comentário

Postar um comentário