Resenha: Os sete Maridos de Evelyn Hugo

04 dezembro 2019
Sinopse: Com todo o esplendor que só a Hollywood do século passado pode oferecer, esta é uma narrativa inesquecível sobre os sacrifícios que fazemos por amor, o perigo dos segredos e o preço da fama.
Lendária estrela de Hollywood, Evelyn Hugo sempre esteve sob os holofotes ― seja estrelando uma produção vencedora do Oscar, protagonizando algum escândalo ou aparecendo com um novo marido… pela sétima vez.
Agora, prestes a completar oitenta anos e reclusa em seu apartamento no Upper East Side, a famigerada atriz decide contar a própria história ― ou sua “verdadeira história” ―, mas com uma condição: que Monique Grant, jornalista iniciante e até então desconhecida, seja a entrevistadora.
Ao embarcar nessa misteriosa empreitada, a jovem repórter começa a se dar conta de que nada é por acaso ― e que suas trajetórias podem estar profunda e irreversivelmente conectadas.
Hello pessoas tudo certinho?!?! Hoje falaremos de um livro muito inusitado, Os Sete Maridos de Evelyn Hugo. Mas antes, deixa eu dizer para vocês o seguinte: que capacidade Taylor Jenkins Reid tem de criar pessoas que não existem. Foi assim com Daisy Jones & The Six e é exatamente assim aqui.

Evelyn Hugo, foi a maior estrela que Hollywood já conheceu, e agora que ela resolveu leiloar alguns de seus vestidos lendários, para uma causa social importante, e foi atras de uma jornalista iniciante para uma entrevista, deixou toda a mídia especializada em polvorosa. Só aqui você já está com vontade de ir no Google descobrir mais dessa dama que teve SETE maridos. Pois bem, ela não existe. Pelo menos não de fato.
E a beleza das histórias de Reid reside nisso, ela te prende numa história imensa e cheia de furos totalmente criada, e tem autor que não lembra o nome do personagem no mesmo livro 🤦🏽‍♀‍. Além de criar os personagens mais relevantes, sejam eles, os protagonistas ou os secundários, ela nos faz ficar meio alucinadas ao ponto de não querermos falar sobre outra coisa... é realmente uma loucura.



Quando Monique, a jornalista escolhida para a entrevista, escolhida a dedo por Evelyn, sua editora não entende o porquê dessa escolha, quando ela ofereceu uma lista de jornalistas mais experientes. E o momento dessa conversa entre as duas é um misto de "pqp" com "o que é isso mana" que vocês não fazem ideia. Mas o que a velha atriz quer, é alguém para escrever sua biografia, contar todas as suas histórias.  E vamos combinar, com uma trajetória como a dela e sete ex-maridos deve ter coisa para preencher páginas e mais páginas de historias.

Mas uma simples pergunta muda tudo: Quem Foi O Grande Amor de Evelyn Hugo?? Essa pergunta muda tudo que estava moldado em nossa mente acerca da sedutora atriz. Vou confessar que não estava preparada... cada pedacinho de sua vida que ela abria, mostrava algo totalmente diferente, porém não inesperado, sobre o submundo de Hollywood, tudo que vimos e lemos em alguma rede social por aí.  Mas, para mim, o que realmente vale a pena são as reflexões que temos que fazer ou as que lemos por parte de Evelyn. 

E quando a grande pergunta é respondida, e entendemos os meandros de se manter nessa carreira ingrata de atriz, é que vemos que nem todo glamour do mundo vale a pena, se ter sua vida, sua liberdade e até seus pensamentos escravos de uma indústria que só quer explorar a sua imagem.

Taylor cria um universo encantador, entramos na mente de Evelyn e assim como em Daisy Jones, é impossível,  não imaginar essas pessoas existindo de fato. É quase absurda a ideia de que, Evelyn Hugo não foi essa atriz que está descrita no livro. Para mim essa é a melhor característica da escrita da autora, o fato dela nos fazer mergulhar com tudo numa história criada. Estou realmente apaixonada pela escrita e por essa personagem tão emblemática.

Leitura mais que recomendada, é um mergulho maravilhoso na mente de uma gigante do cinema, mas que só é gigante para quem ler o livro, uma vez que ela de fato, não existe. 

Nenhum comentário

Postar um comentário