Resenha: A Irmã do Sol

24 setembro 2020

Em A irmã do sol, sexto livro da série As Sete Irmãs, Lucinda Riley conduz o leitor das movimentadas ruas de Nova York até as magníficas planícies do Quênia para contar uma história de luta e independência, sobre os sacrifícios que fazemos por amor. Para quem olha de fora, Electra D’Aplièse parece ter a vida perfeita: uma carreira de sucesso mundial como modelo, uma beleza inegável e uma vida amorosa agitada com alguns dos homens mais bonitos e influentes. No entanto, longe dos holofotes, Electra está desmoronando. Com a morte do pai adotivo, Pa Salt, e o recente término de um relacionamento, ela afunda em seus vícios, incapaz de pedir ajuda à família e aos amigos. É nesse momento conturbado que Electra recebe uma carta inesperada. Ativista dos direitos humanos famosa em todo o mundo, Stella Jackson afirma ser sua avó... e ela tem uma longa história para contar. É assim que Electra mergulha numa saga emocionante que envolve as turbulências da guerra, a militância por direitos civis e um amor que ultrapassa barreiras sociais. Todo o seu passado se revela para ajudá-la a entender o presente e, quem sabe, mudar seu futuro. Viciante e cheio de momentos emocionantes, em A irmã do sol Lucinda Riley demonstra todo o seu talento. Uma história mágica, com personagens cativantes que permanecem em nosso coração muito depois que o livro termina.

Quem me conhece, sabe que Lucinda Riley é uma das minhas autoras preferidas. Eu adoro as suas narrativas, que são muito bem-construídas e que possuem alternância entre passado e presente. Isso torna o enredo bastante envolvente, para mim, e eu estava bastante ansiosa para ler o sexto livro, a história de Electra.

Por saber disso, a editora-chefe deste blog e minha amiga, Anastácia Cabo, me mandou o livro A Irmã do Sol como presente de aniversário atrasado, e eu pulei uma gigante lista de livros para lê-lo. Segue minha opinião sobre o romance.


Electra sempre foi a irmã mais distante de todas, mas eu achava que era por ser famosa. Mal sabia eu que ela estava totalmente doidona em todas as suas passagens nos livros anteriores. A modelo superfamosa nunca estava sóbria, sempre bebida muita vodca e cheirava muita cocaína, além de dormir com todos os caras que aparecessem. 

Se você leu os outros livros, sabe que todas as irmãs receberam uma carta de seu pai antes de falecer, bem como as coordenadas do seu local de nascimento. Mas, por conta de sua rotina cheia de vícios, ela não se importou com nada; aliás, nem com seu pai falecido. 

Tudo muda com o surgimento de uma pessoa que diz ser sua avó, que aconteceu mais ou menos ao mesmo tempo em que uma quase tragédia. 

Estou aqui porque sou do seu sangue e porque seu pai me enviou a você. E, junto com ele, estou implorando para que consiga ajuda antes que seja tarde demais e destrua sua juventude. Duvido que você queira me ver novamente, pois vai ficar com raiva de mim por ter dito tudo isso. Você está em negação agora, mas um dia, em breve, chegará ao fundo do poço, e quando isso acontecer, me ligue e eu estarei do seu lado. 
A partir de então Electra decide mudar sua vida, e é desse ponto em diante que nós mergulhamos em sua história, que começou no Quênia e terminou em Nova York.

É aí que conhecemos Cecily e, depois, Njala, Stella e Rosa. Demora para conhecermos a ancestral direta de Electra, isso só acontece bem para o final, mas a partir de Njala é que começa a ficar mais interessante, em minha opinião. 

O que eu achei do livro? Um pouco decepcionante, mas bom. Não tem como não gostar das obras de Lucinda, de suas narrativas envolventes, mas não me conectei nem com Electra e nem com Cecily. O Quênia também não se mostrou um lugar muito atrativo para mim, mas isso não é culpa da autora, que mais uma vez se mostrou ótima. É por esse motivo que darei boa nota, mas não máxima.

Lucinda quis mostrar uma protagonista que sofreu uma mudança drástica, acredito, mas a primeira impressão que ficou de Electra não foi boa, e o dano foi causado até o fim. Adorei seu final, achei bastante promissor, mas não houve aquela conexão que eu tive com as suas irmãs e seus locais de origem.

Enquanto pegava no sono, percebi que meus dias de modelo estavam quase certamente terminando. Eu também queria fazer a diferença no mundo...

Se eu recomendo A Irmã do Sol? Com certeza! Eu não gostei tanto quanto achei que iria gostar, mas lerei tudo o que Lucinda escrever, e estou ansiosa pelo livro que fechará a série. As últimas palavras desse romance deixaram um gostinho de quero mais incrível!

 
Ficha técnica:
Autor: Lucinda Riley
Editora: Arqueiro
Ano: 2020
Páginas: 688

Até quinta-feira da semana que vem! 

2 comentários

  1. Oi Fernanda! Gostei muito da sua resenha ♡ não conhecia a escritora e essa série, fiquei curiosa para conhecer mais! Irei procurar a resenha do primeiro livro e se possível adicionar na minha lista de desejados. (^-^)

    https://mundoliterariodavi.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro a Lucinda, seu método de escrita me encanta! Recomendo muito a série e também todos os seus livros.

      Excluir